Sample records for ruthenium 106
from WorldWideScience.org

Sample records 1 - 2 shown.



1

Braquiterapia com rutênio-106 em melanomas uveais - resultados preliminares: experiência uni-institucional/ Ruthenium-106 brachytherapy for uveal melanomas - preliminary results: a single institutional experience

Dias, Rodrigo Souza; Giordani, Adelmo José; Erwenne, Clélia Maria; Segreto, Helena Regina Comodo; Teixeira, Luiz Fernando; Segreto, Roberto Araujo
2007-04-01

Resumo em português OBJETIVO: Analisar os resultados preliminares da braquiterapia com rutênio-106 em pacientes portadores de melanomas uveais. MATERIAIS E MÉTODOS: No período de abril de 2002 a julho de 2003, 20 pacientes com diagnóstico de melanoma uveal foram tratados com braquiterapia com rutênio-106. A dose calculada no ápice tumoral variou de 55 Gy a 100 Gy. Pacientes com lesões com altura maior que 5 mm foram submetidos a termoterapia transpupilar concomitante à colocação da (mais) placa oftálmica. RESULTADOS: Quanto à localização da lesão, esta se encontrava na coróide em 75% dos casos, na íris em 15% e no corpo ciliar em 10% dos pacientes. Com seguimento mediano de 19 meses, a sobrevida livre de progressão para a braquiterapia e para a associação com a termoterapia transpupilar foi de 69% e 87%, respectivamente. Observou-se redução significante da altura tumoral após o tratamento. Nenhum dos pacientes foi submetido a enucleação. CONCLUSÃO: Nossos resultados preliminares mostram que a braquiterapia com rutênio-106 é uma opção adequada para o tratamento conservador de melanomas uveais em termos de controle local, manutenção do globo ocular e visão útil, com índice aceitável de complicações. Resumo em inglês OBJECTIVE: To analyze the early response of uveal melanomas in patients treated with ruthenium-106 brachytherapy. MATERIALS AND METHODS: In the period between April 2002 and July 2003, 20 patients diagnosed with uveal melanoma were submitted to ruthenium-106 brachytherapy. The calculated dose delivered at the apex of the tumor ranged between 55 Gy and 100 Gy. Patients with lesions greater than 5 mm were submitted to transpupillary thermotherapy concomitantly with ophthalm (mais) ic plaque insertion. RESULTS: As regards the lesions site, 75% of the lesions were located in the choroid, 15% in the iris, and the remainder 10% in the ciliary body. In a median 19-month-follow-up, the progression-free survival for brachytherapy was 69%, and 87% for associated brachytherapy and transpupillary thermotherapy. A significant tumor height reduction was observed after treatment. No patient was submitted to enucleation. CONCLUSION: Our preliminary results show that ruthenium-106 brachytherapy is an appropriate method for conservative treatment of patients with uveal melanomas in terms of local management, ocular and visual acuity preservation with an acceptable complications incidence rate.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

2

Considerações radiodosimétricas da braquiterapia ocular com iodo-125 e rutênio/ródio-106/ Radiodosimetric considerations on ocular brachytherapy with iodine-125 and ruthenium/rhodium-106

Mourão, Arnaldo Prata; Campos, Tarcísio Passos Ribeiro de
2009-02-01

Resumo em português OBJETIVO: Analisar, por meio de um modelo computacional da região ocular, as características da distribuição da dose utilizando placas contendo iodo-125 e rutênio/ródio-106. MATERIAIS E MÉTODOS: Foi utilizado um modelo computacional de voxels da região ocular incluindo os diversos tecidos, com a placa posicionada sobre a esclera. O código Monte Carlo foi utilizado para simular a irradiação. A distribuição da dose é apresentada por curvas de isodoses. RESULTA (mais) DOS: As simulações computacionais apresentam a distribuição da dose no interior do bulbo e nas estruturas externas. Os resultados permitem comparar a distribuição espacial das doses geradas por partículas beta e por fótons. As simulações mostram que a aplicação de sementes de iodo-125 implica alta dose no cristalino, enquanto o rutênio/ródio-106 produz alta dose na superfície da esclera. CONCLUSÃO: A dose no cristalino depende da espessura do tumor, da posição e do diâmetro da placa, e do radionuclídeo utilizado. No presente estudo, a fonte de rutênio/ródio-106 é recomendada para tumores de dimensões reduzidas. A irradiação com iodo-125 gera doses maiores no cristalino do que a irradiação com rutênio/ródio-106. O valor máximo de dose no cristalino corresponde a 12,75% do valor máximo de dose com iodo-125 e apenas 0,005% para rutênio/ródio-106. Resumo em inglês OBJECTIVE: To analyze dose distribution utilizing plaques with iodine-125 and ruthenium/rhodium-106 in a computational model of the ocular region. MATERIALS AND METHODS: A voxel-based computational model including the different tissues of the ocular region was utilized with the plaque positioned on the sclera. The Monte Carlo code was utilized for simulating irradiation. The dose distribution is demonstrated by isodoses curves. RESULTS: Computational simulations demonstra (mais) te the dose distribution inside the ocular bulb as well as in adjacent outside structures. The results have allowed the authors to compare the spatial distribution of doses generated by beta particles and photons. The simulations demonstrated that the utilization of iodine 125 seeds implies a high dose to the crystalline lens, while ruthenium/rhodium-106 results in high dose on the sclera surface. CONCLUSION: The dose to the crystalline lens depends on the tumor position and thickness, the plaque diameter, and the radionuclide utilized. In the present study, the ruthenium/rhodium-106 source is recommended for low tumor thickness. Irradiation with iodine-125 results in higher doses to the crystalline lens than irradiation with ruthenium/rhodium-106. The maximum value for dose to the crystalline lens corresponds to 12.75% of the maximum dose with iodine-125 and only 0.005% for ruthenium/rhodium-106.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)