Sample records for giant resonance
from WorldWideScience.org

Sample records 1 - 11 shown.



1

Astrocitoma subependimário de células gigantes em pacientes com esclerose tuberosa: achados em ressonância magnética de dez casos/ Subependymal giant cell astrocytoma in patients with tuberous sclerosis: magnetic resonance imaging findings in ten cases

Takata, Karina; Gasparetto, Emerson L.; Leite, Claudia da Costa; Lucato, Leandro T.; Reed, Umbertina C.; Matushita, Hamilton; Aguiar, Paulo Henrique P. de; Rosemberg, Sérgio
2007-06-01

Resumo em português OBJETIVO: Relatar os achados de ressonância magnética (RM) em 10 casos de astrocitoma subependimário de células gigantes (ASCG) em pacientes com esclerose tuberosa (ET). MÉTODO: Foram estudados de forma retrospectiva 10 pacientes com ET e diagnóstico histológico comprovado de ASCG. Quatro pacientes eram do sexo masculino e seis do feminino, com idade média de 15,7 anos. Todos os pacientes foram investigados com RM, sendo os exames revisados por dois radiologistas, (mais) havendo decisão por consenso sobre os achados de imagem. Foram analisados os seguintes achados: localização, dimensões, intensidade de sinal em T1/T2, realce pós-contraste e outros achados associados. RESULTADOS: Todos os pacientes apresentaram lesão única sugestiva de ASCG, medindo entre 1,5 cm e 8 cm em seu maior diâmetro. Oito lesões foram encontradas junto ao forame de Monro (80%) e duas adjacentes ao corpo do ventrículo lateral (20%). Os tumores apresentavam nas imagens pesadas em T1 médio sinal (70%) e em T2 alto sinal (100%), com realce intenso após a administração do gadolínio (100%). CONCLUSÃO: Os astrocitomas subependimários de células gigantes em pacientes com ET em geral apresentam-se como lesão única próxima ao forame de Monro, com médio sinal nas imagens ponderadas em T1, alto sinal em T2 e realce intenso após a administração de contraste. Resumo em inglês OBJECTIVE: To report the magnetic resonance imaging (MRI) findings in 10 patients with subependimal giant cell astrocytoma (SGCA) and tuberous sclerosis (TS). METHOD: Ten patients were retrospectively studied, presenting TS and histologically proven SGCA. Four patients were male and six female, with mean age 15.7 years. All patients underwent MRI, which was analyzed by two radiologists, final diagnosis was reached by consensus. The following findings were studied: topogra (mais) phy, size, signal intensity on T1/T2-weighted images, contrast enhancement and associated findings. RESULTS: All patients presented a single lesion suggestive of SGCA, measuring between 1.5 cm and e 8 cm in the largest diameter. Eight lesions were found near the foramen of Monro and two in the body of the lateral ventricles. The tumors showed preferentially intermediate signal on T1 (70%), high signal on T2-weighted images (100%), with intense enhancement after contrast administration (100%). CONCLUSION: SGCA in patients with TS usually presents as a single lesion near the foramen of Monro, with intermediate signal on T1, high signal on T2-weighted images and intense contrast enhancement.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

2

Aneurisma gigante de carótida interna simulando macroadenoma de hipófise/ Giant internal carotid artery aneurism simulating pituitary adenoma

Borges, Fabiano Zaidan; Ferreira, Beatriz P.; Resende, Elisabete A.M.R.; Neto, Ezequiel N.; Borges, Wilson A.A.; Oliveira, Ricardo S.M.; Borges, Maria de Fátima
2006-06-01

Resumo em português O aneurisma gigante com extensão selar é uma causa rara de hipopituitarismo, e está freqüentemente associado com aterosclerose, displasia fibromuscular ou radioterapia hipofisária. O presente caso é de uma paciente de 78 anos com aneurisma gigante de carótida interna esquerda, somente diagnosticado devido a quadro de pan-hipopituitarismo e síndrome de nervos cranianos (compressão dos nervos abducente e ópticos). A etiologia foi definida após tomografia computad (mais) orizada, ressonância nuclear magnética e arteriografia cerebral compatíveis com aneurisma. Ficou demonstrada associação com aterosclerose e displasia fibromuscular pela arteriografia. Não foi realizado tratamento cirúrgico após avaliação de risco/benefício. Obteve-se melhora clínica significativa após instituição de reposição hormonal com glicocorticóide e levotiroxina. Resumo em inglês Giant aneurysm projected into the sellar region is a rare cause of hypopituitarism and is usually associated with atherosclerosis, fibromuscular dysplasia and pituitary radiation therapy. We report the case of a 78-year-old patient presenting a giant internal carotid artery aneurysm disclosed by clinical features of hypopituitarism and cranial nerves compression (optic and abducent). Computed tomographic scans, magnetic resonance images and cerebral angiography were perfo (mais) rmed and showed the aneurysm. Cerebral angiography confirmed concomitant atherosclerosis and fibromuscular dysplasia. After evaluation of risk/benefit, no surgical treatment was proposed. Replacement endocrine therapy with glucocorticoid and levothyroxine was initiated followed by a satisfactory clinical response.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

3

Proptose causada por adenoma pituitário gigante: relato de caso/ Proptosis caused by giant pituitary adenoma: case report

Pereira, Andréa; Monteiro, Mário Luiz Ribeiro
2003-08-01

Resumo em português OBJETIVO: Relatar um caso raro de proptose unilateral associada à paralisia oculomotora e cegueira causados por adenoma pituitário gigante. MÉTODOS: A paciente foi submetida a exame clínico e oftalmológico completo, campimetria, exame de imagem por ressonância magnética e estudo histopatológico do tumor após intervenção cirúrgica. RESULTADOS: Paciente de 21 anos apresentou perda visual progressiva bilateral associada à proptose e limitação da motilidade ocu (mais) lar do olho esquerdo. A campimetria revelou hemianopsia temporal completa no olho direito e havia ausência de percepção luminosa no olho esquerdo. O exame de imagem por ressonância magnética mostrou extenso tumor infiltrando o terceiro ventrículo, seio cavernoso e ápice da órbita à esquerda. O estudo histopatológico revelou se tratar de adenoma hipofisário produtor de hormônio de crescimento e prolactina sem sinais de malignidade. CONCLUSÃO: Este caso é de interesse não apenas pelo fato do envolvimento orbitário pelos adenomas ser extremamente raro, mas também para salientar a importância de diagnóstico precoce uma vez que apesar da histologia benigna, os adenomas invasivos nem sempre seguem curso clínico favorável. Resumo em inglês PURPOSE: To describe the unusual occurrence of unilateral proptosis associated with oculomotor palsy and blindness, caused by a giant pituitary adenoma. METHODS: The patient was submitted to clinical and ophthalmologic examination, visual field, magnetic resonance imaging and histopathological study after surgical intervention for the removal of the tumor. RESULTS: A 21-years-old woman had progressive bilateral visual loss, associated with proptosis and limitation of ocul (mais) ar motility of the left eye. Visual field examination revealed a complete temporal hemianopsia in the right eye and no light perception in the left eye. Magnetic resonance imaging showed a large tumor infiltrating the III ventricule, cavernous sinus and orbital apex. The histopathological study revealed a pituitary adenoma producing prolactin and growth hormone without signs of malignancy. CONCLUSIONS: This case is of interest not only because it documents the extremely rare occurrence of orbital involvement by a pituitary tumor but also because it emphasizes the need of an early diagnosis of invasive adenomas since such tumors not necessarily follow a benign clinical course despite their histologically benign nature.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

4

Cavernoma gigante: relato de dois casos/ Giant cavernous angioma: report of two cases

Andrade, Guilherme Cabral de; Prandini, Mirto Nelso; Braga, Fernando Menezes
2002-06-01

Resumo em português Angiomas cavernosos ou hemangiomas ou ainda cavernomas são malformações do sistema nervoso central, classificadas como lesões cerebrais vasculares ocultas, frequentemente assintomáticas, sendo relativamente raras. Definidas histologicamente como massas compactas cavernosas ou canais sinusoidais de vários tamanhos, com paredes finas no interior do parênquima cerebral e sem intervenção do tecido glial. Podem ocorrer em qualquer faixa etária inclusive em neonatos. (mais) Na maioria das vezes são lesões de tamanho reduzido, localizadas no interior do parênquima encefálico. Angiograficamente não mostram alterações com circulação patológica, podendo mesmo não ser diagnosticados pela tomografia, sendo o exame ideal para o seu diagnóstico a ressonância magnética de crânio. Os cavernomas são lesões histologicamente benignas mas, dependendo de sua localização, podem trazer grandes transtornos neurológicos e ser irressecáveis. A exérese cirúrgica da lesão é o tratamento de escolha se a lesão for única e em localização favorável e estiver desencadeando sintomatologia neurológica prejudicial ao paciente. Apresentamos dois casos de cavernomas gigantes que apresentaram boa evolução após ressecção cirúrgica completa. Descritos como gigantes, foram encontrados apenas três casos individuais na literatura . Resumo em inglês Cavernous angiomas or haemangiomas or yet cavernomas are malformations of the central nervous system classified as occult vascular brain lesions. These rare lesions are clinically silent. They are defined by the presence of abnormally large vascular cavities or sinusoids channels of variable size, with sharp walls, located inside but not invading the brain parenchyma. They can occur at any age, including the neonatal period. Most of the small lesions are located inside th (mais) e brain parenchyma. No abnormal circulation can be demonstrated in angiography and CT scan can be helpful for diagnosis only in rare occasions. Magnetic resonance is the best exam to demonstrate the lesion. Despite the benign character some lesions may cause neurologic dysfunction when their removal may be difficult. Complete extirpation is the best treatment if the lesion is favorable located and is causing neurological dysfunction. Two cases of giant cavernomas with good outcome after total removal are present. Only three cases of giant cavernomas were reported in the literature.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

5

Disfunção hormonal em lesões não hipofisárias das regiões selar e periselar/ Hormonal dysfunction of nonpituitary lesions from midline and perisellar area

Fonseca, Ana Luíza Vidal; Souto, Antonio A.D.; Domingues, Flavio; Vaisman, Mario; Gadelha, Monica R.; Chimelli, Leila; Santos, Mario José C.F.; Violante, Alice Helena D.
2001-12-01

Resumo em português OBJETIVO: Analisar a disfunção hormonal pré-operatória, clínica e/ou laboratorial, das lesões intracranianas não hipofisárias da linha média e região peri-selar. MÉTODO: Foram analisados 44 pacientes com lesões intracranianas não hipofisárias, com exames de imagem (tomografia computadorizada ou ressonância magnética) e dosagens hormonais basais; 16 tinham provas de função hipotálamo-hipofisária (megateste) pré-operatórios. Esses pacientes foram divid (mais) idos em dois grupos: Grupo I - 34 lesões da linha média: 11 craniofaringiomas, 8 meningiomas, 3 germinomas, 3 tumores do seio esfenoidal, 2 síndromes sela vazia, 2 astrocitomas pilocíticos, 1 aneurisma gigante, 2 mucoceles, 1 divertículo do III ventrículo e 1 cisto da bolsa de Rathke; Grupo II - 10 lesões da região peri-selar: 9 meningiomas e 1 aneurisma gigante. RESULTADOS: No grupo I, 25/34 (73,5%) pacientes apresentavam déficit hormonal laboratorial (14 sem clínica evidente), 18/34 (52,9%) hiperprolactinemia (apenas 5 com galactorréia) e, dos 15 megatestes realizados nesse grupo, 8 (53,3%) mostraram deficiência do hormônio de crescimento (GH); 3 (8,8 %) pacientes apresentaram diabetes insipidus central (DIC) pré-operatório. No grupo II, 6/10 (60%) pacientes apresentavam déficit hormonal laboratorial (5 sem clínica evidente), 1/10 (10%) hiperprolactinemia e 1 deficiência de GH (único megateste feito nesse grupo); nenhum paciente apresentou DIC pré-operatório. CONCLUSÃO: A presença de manifestações clínicas inespecíficas ou pouco valorizadas não indica ausência de disfunção hormonal laboratorial; na presente série, 19/38 (50%) pacientes com alterações laboratoriais, não apresentavam manifestações clínicas. Disfunção hormonal é frequente em lesões não hipofisárias selares e peri-selares, especialmente, aquelas envolvendo a linha média. Resumo em inglês OBJECTIVE: To analyse clinical and/or laboratorial preoperative hormonal dysfunction , of the nonpituitary intracranial lesions from midline and parasellar area. METHOD: Forty-four patients were evaluated with nonpituitary intracranial lesions, who had images studies (computed tomography or magnetic resonance) and preoperative basal hormonal level; 16 had preoperative hypothalamus-hypophysial function tests (megatests). These patients were divided in two groups. Group I - (mais) 34 lesions from midline: 11 craniopharyngiomas, 8 meningiomas, 3 germinomas, 3 tumors of sphenoid sinus, 2 empty sella syndrome, 2 pylocitic astrocytomas, 1 giant aneurysm, 2 mucoceles, 1 III ventricle diverticulum and 1 Rathke's cleft cyst; Group II - 10 lesions from parasellar area: 9 meningiomas and 1 giant aneurysm. RESULTS: In group I, 25/34 (73.5%) patients showed laboratorial hormonal deficit (14 without clinical manifestations) 18/34 (52.9%) hyperprolactinemia (5 with galactorreia) and 8 (53.3%) showed growth hormone deficiency in 15 megatests avaliable in this group; 3 (8.8 %) patients presented central diabetes insipidus (CDI). In group II, 6/10 (60%) patients showed laboratorial hormonal deficit (5 without clinical manifestations), 1 (10%) hyperprolactinemia and 1 growth hormone deficiency (single megatest realized in this group); no patient had preoperative CID. CONCLUSIONS: The presence of nonspecific or poorly valorized clinical manifestations, does not indicate absence of hormonal dysfunction; in this present serie, 19/38 (50%) patients with laboratorial abnormalities, didn't show clinical manifestations. Hormonal dysfunction is frequent in sellar and perisellar nonpituitary lesions, specially involving midline.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

6

Meduloblastoma: correlação entre ressonância magnética convencional, difusão e espectroscopia de prótons/ Medulloblastoma: correlation among findings of conventional magnetic resonance imaging, diffusion-weighted imaging and proton magnetic resonance spectroscopy

Fonte, Mariana Vieira de Melo da; Amaral, Raquel Portugal Guimarães; Costa, Maria Olívia Rodrigues; Otaduy, Maria Concepción Garcia; Lucato, Leandro Tavares; Reed, Umbertina Conti; Rosemberg, Sergio; Leite, Claudia da Costa
2008-12-01

Resumo em português OBJETIVO: Correlacionar os achados de ressonância magnética convencional, difusão e espectroscopia de prótons nos meduloblastomas, e compará-los aos dados da literatura. MATERIAIS E MÉTODOS: Análise retrospectiva de exames de ressonância magnética pré-operatórios de nove pacientes na faixa pediátrica com diagnóstico histológico de meduloblastoma (oito desmoplásicos e um de células gigantes). Foram considerados dados demográficos e características do tumo (mais) r como localização, característica morfológica, intensidade de sinal, realce, disseminação e achados na difusão e espectroscopia. RESULTADOS: Na maioria dos casos os tumores apresentaram epicentro no vermis cerebelar (77,8%), sendo predominantemente sólido (88,9%), com hipossinal nas seqüências ponderadas em T1 e iso/hipersinal nas seqüências ponderadas em T2 e FLAIR, realce heterogêneo (100%), sinais de disseminação/extensão tumoral (77,8%) e restrição à movimentação das moléculas de água (100%). A espectroscopia de prótons pela técnica STEAM (n = 6) demonstrou redução da relação Naa/Cr (83,3%) e aumento de Co/Cr (100%) e mI/Cr (66,7%), e pela técnica PRESS (n = 7) evidenciou pico de lactato (57,1%). CONCLUSÃO: O conjunto dos achados macroscópicos obtidos pela ressonância magnética, somado às características bioquímicas dos meduloblastomas, têm sido úteis na tentativa de diferenciação entre os principais tumores da fossa posterior. Resumo em inglês OBJECTIVE: To correlate imaging findings of medulloblastomas at conventional magnetic resonance imaging, diffusion-weighted imaging and proton magnetic resonance spectroscopy, comparing them with data in the literature. MATERIALS AND METHODS: Preoperative magnetic resonance imaging studies of nine pediatric patients with histologically confirmed medulloblastomas (eight desmoplastic medulloblastoma, and one giant cell medulloblastoma) were retrospectively reviewed, conside (mais) ring demographics as well as tumors characteristics such as localization, morphology, signal intensity, contrast-enhancement, dissemination, and diffusion-weighted imaging and spectroscopy findings. RESULTS: In most of cases the tumors were centered in the cerebellar vermis (77.8%), predominantly solid (88.9%), hypointense on T1-weighted images and intermediate/hyperintense on T2-FLAIR-weighted images, with heterogeneous enhancement (100%), tumor dissemination/extension (77.8%) and limited water molecule mobility (100%). Proton spectroscopy acquired with STEAM technique (n = 6) demonstrated decreased Naa/Cr ratio (83.3%) and increased Co/Cr (100%) and mI/Cr (66.7%) ratios; and with PRESS technique (n = 7) demonstrated lactate peak (57.1%). CONCLUSION: Macroscopic magnetic resonance imaging findings in association with biochemical features of medulloblastomas have been useful in the differentiation among the most frequent posterior fossa tumors.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

7

Tumor de células gigantes de bainha de tendão no LCA/ Tendon sheath giant cells tumor in ACL

Pedrinelli, André; Camargo, Olavo Pires de; Barreto, Ronald Bispo; Moldenhauer, Denis; Pedrinelli, Ricardo
2007-01-01

Resumo em português Trata-se de um relato de caso de tumor de células gigantes de bainha do ligamento cruzado anterior, uma localização extremamente rara para esse tipo de lesão. O paciente do sexo feminino apresentava dor no joelho, sem relato de trauma anterior. Foi submetido ao exame clínico, ao estudo radiográfico e de ressonância magnética da região. Feita a hipótese diagnóstica de TGC de Bainha, o paciente foi então tratado com ressecção artroscópica do tumor. O diagnós (mais) tico foi confirmado com exame anátomo-patológico. O paciente evoluiu bem, com melhora dos sintomas referidos no pré-operatório. Resumo em inglês The author presents a case report of Tumor Giant Cells (TGC) localized on the anterior cruciate ligament sheath, an extremely rare site for this kind of lesion. A 37 y-o female patient presented with knee pain, with no history of previous trauma. She underwent clinical examination, X-ray study and magnetic resonance of the region. The diagnostic hypothesis of Sheath TGC was provided, and the patient was treated with tumor arthroscopy resection. Diagnosis was confirmed by (mais) anatomicopathological examination. By the end point assessment, none of the pre-operative symptoms were reported.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

8

Apresentações incomuns do hepatocarcinoma: ensaio iconográfico/ Unusual presentations of hepatocellular carcinoma: an iconographic essay

D'Ippolito, Giuseppe; Abreu Junior, Luiz de; Borri, Maria Lucia; Galvão Filho, Mário de Melo; Hartmann, Luiz Guilherme C.; Wolosker, Angela Maria Borri; Ribeiro, Marcelo; Salem, Marcelo Zindel; Misiara, Adriano
2006-04-01

Resumo em português O objetivo deste trabalho foi descrever e ilustrar aspectos incomuns do hepatocarcinoma na tomografia computadorizada e ressonância magnética. A partir da análise retrospectiva de 100 casos de pacientes com hepatocarcinoma diagnosticado por análise combinada de exames de imagem, dosagem de alfa-feto-proteína, biópsia percutânea ou ressecção cirúrgica, selecionamos aqueles com apresentação atípica em um ou mais métodos de imagem ou aqueles com evolução não (mais) usual, ilustrando os seus principais aspectos de imagem. Entre os casos apresentados, escolhemos pacientes com hepatocarcinomas císticos, hemorrágicos, rotos e causando hemoperitônio, calcificados, com regressão espontânea, exofíticos, hipovasculares, gigantes e com disseminação não usual. O hepatocarcinoma é o tumor maligno mais comum do fígado e freqüentemente tem apresentação típica e associada à cirrose hepática. Porém, em alguns casos, apresentações atípicas podem retardar o seu diagnóstico. Resumo em inglês In order to evaluate atypical aspects of hepatocellular carcinoma at computed tomography and magnetic resonance imaging, we have retrospectively evaluated 100 patients with diagnosed hepatocellular carcinoma, based on combined imaging studies, laboratory results, biopsy and surgery. We have selected those cases with atypical findings at computed tomography or magnetic resonance imaging, including cystic lesions, bleeding tumors, with calcifications, with spontaneous regre (mais) ssion, pedunculated tumors, hypovascular lesions, giant hepatocellular carcinomas, and those with unusual local invasiveness. The hepatocellular carcinoma is the most usual primary malignant lesion of the liver and usually it has a typical aspect and is associated with hepatic cirrhosis. However, in a significant number of cases, some uncommon findings can be responsible for a delayed diagnosis.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

9

Apresentações incomuns do hemangioma hepático: ensaio iconográfico/ Unusual presentations of hepatic hemangioma: an iconographic essay

D'Ippolito, Giuseppe; Appezzato, Luis Fernando; Ribeiro, Alessandra Caivano R.; Abreu Junior, Luiz de; Borri, Maria Lucia; Galvão Filho, Mário de Melo; Hartmann, Luiz Guilherme C.; Wolosker, Angela Maria Borri
2006-06-01

Resumo em português O nosso objetivo foi descrever e ilustrar aspectos incomuns do hemangioma hepático na ultra-sonografia (US), tomografia computadorizada (TC) e ressonância magnética (RM). A partir da análise retrospectiva de 300 casos de pacientes com diagnósticos de hemangioma hepático, por meio da análise combinada de exames de imagem, biópsia ou acompanhamento clínico, selecionamos aqueles com apresentação atípica em um ou mais métodos de imagem ou aqueles com evolução n (mais) ão usual, ilustrando os seus principais aspectos de imagem. Entre os casos apresentados, escolhemos pacientes com hemangiomas: hipoecogênicos na US; hipovasculares ou avasculares na TC e RM; com calcificações grosseiras; gigantes e medindo mais de 20 cm de diâmetro; predominantemente exofíticos; hipointensos em T2; promovendo defeito de perfusão; com cicatriz central e simulando hiperplasia nodular focal; com crescimento evolutivo. O hemangioma hepático é o tumor mais comum do fígado e geralmente tem apresentação típica. Porém, os seus diversos aspectos não usuais precisam ser conhecidos para auxiliar na orientação diagnóstica e conduta. Resumo em inglês In order to evaluate atypical aspects of hepatic hemangiomas at ultrasound (US), computed tomography (CT) and magnetic resonance imaging (MRI), we have retrospectively analyzed 300 cases of patients diagnosed with hepatic hemangiomas by means of combined imaging studies, clinical follow-up and/or biopsy results. Based on this analysis we have selected those cases with atypical findings at one or more imaging methods or those presenting an unusual evolution such as: hypoec (mais) hoic nodules at US; giant, heterogeneous hemangiomas; rapidly filling hemangiomas; calcified hemangiomas; pedunculated hemangiomas; hypointense hemangiomas at T2-weighted images; causing perfusion defect; with central scar simulating focal nodular hyperplasia; hemangiomas with adjacent abnormalities such as arterial-portal venous shunt and capsular retraction as well as hemangiomas enlarging over time. The hepatic hemangioma is the most common benign tumor affecting the liver and usually presents typical aspect. However, atypical findings should be known aiming at supporting diagnosis guidance and clinical decisions.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

10

A correlação entre exames de imagem, características anatomopatológicas e imunoistoquímicas num caso de tumor de céculas gigantes e agressivo do osso, com localização em coluna/ Correlation between imaging tests and anatomicopathological and immunohistochemical characteristics in a case of severe giant cell tumor of bone located at spine

Oliveira, Claudia Regina Gomes Cardim Mendes de; Basile, Roberto; Camargo, Olavo Pires de; Zerbini, Maria Claudia Nogueira; Lula, Denise A. A. Mello; Saito, Carlos Fernando; Filippi, Renée Zon; Nascimento, Sérgio Antonio Barbosa do
2006-01-01

Resumo em português O Tumor de Células Gigantes (TGC), é um tumor benigno, com ocorrência de recidiva em cerca de 20-34% dos casos. A localização habitual é na epífise dos ossos longos. O objetivo deste trabalho é relatar um caso de TGC em vértebra, com diagnóstico inicial de Cisto Ósseo Aneurismático (COA), e discutir os diagnósticos diferenciais possíveis, correlacionando-os com as características dos exames de imagens. Paciente com 37 anos, do sexo feminino, com quadro clí (mais) nico de dor na coluna e paraparesia há 2 meses. O diagnóstico inicial foi de COA. Na radiografia a lesão era lítica, com, erosão e destruição da cortical..A tomografia e ressonância evidenciavam lesão cística e hemorrágica, com extensão para partes moles. A revisão das lâminas e análise do espécime cirúrgico ressecado, submetido à coloração HE e imunoistoquímica com marcador para p53, permitiram o diagnóstico de TGC. Muitas lesões, benignas apresentam células gigantes multinucleadas. Os exames de imagem nem sempre permitem um diagnóstico conclusivo. O diagnóstico definitivo de TGC depende do exame anatomopatológico, com avaliação cuidadosa do componente estromal e a imunoexpressão positiva para a proteína p53. O tratamento é a ressecção cirúrgica, com margens amplas seguida por instrumentação nos casos de tumor localizados na coluna vertebral. Resumo em inglês Giant Cell Tumor (GCT) is a benign tumor, with a recurrence rate of about 20% - 34% of the cases. It is usually located at long bone epiphysis. The objective of this study is to report a GCT case in a vertebra, which was early diagnosed as Aneurysmal Bone Cyst (ABC), and to discuss potential differential diagnosis, correlating them to patterns shown on imaging tests. This patient is a 37 year-old female, with clinical picture of pain in spine and paraparesis that started (mais) two months earlier. An early diagnosis of ACB was delivered. At X-ray, the injury was lithic, with erosion and cortical destruction. Tomography and resonance showed a cystic and hemorrhagic injury, extending to soft parts. Slides review and the analysis of dried surgical matter submitted to HE and immunohistochemical staining with p53 marker allowed for GCT diagnosis. Many benign lesions present with multi-nucleated giant cells. Imaging tests not always enable a conclusive diagnosis. A definite GCT diagnosis depends on anatomicopathological test, with careful evaluation of the stromal component and positive immunoexpression for p53 protein. Treatment is delivered as surgical resection, with wide margins, followed by instrumentation in cases of tumors located at spine.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

11

Embolização de mioma uterino em mulheres portadoras de miomas volumosos/ Uterine fibroid embolization in women with giant fibroids

Nasser, Felipe; Affonso, Breno Boueri; Jesus-Silva, Seleno Glauber de; Coelho, Dionésio de Oliveira; Zlotnik, Eduardo; Messina, Marcos de Lorenzo; Baracat, Edmund Chada
2010-11-01

Resumo em português OBJETIVO: avaliar a eficácia da embolização de mioma uterino (EMUT) em pacientes com miomas volumosos no que diz respeito tanto à evolução clínica quanto à redução do tamanho dos mesmos. MÉTODOS: vinte e seis pacientes com média etária de 36,5 anos, portadoras de miomas uterinos sintomáticos com volume acima de 1.000 cm³, foram submetidas à EMUT. Todas possuíam indicação para tratamento percutâneo. Os procedimentos foram realizados sob anestesia epidur (mais) al e sedação, empregando-se protocolo institucional de analgesia. Após punção femoral unilateral, foi realizado o cateterismo seletivo das artérias uterinas e infusão de microesferas calibradas por meio de microcateter. A avaliação clínica pós-procedimento foi realizada em ambulatório de ginecologia segundo o protocolo de atendimento. Todas as pacientes tinham ressonância nuclear magnética (RNM) antes do procedimento e 15 pacientes RNM de controle após 6 meses. RESULTADOS: o sucesso técnico foi de 100%. Não houve complicação relacionada aos procedimentos. A média de volume uterino das 15 pacientes foi 1.401 cm³ antes da embolização (min. 1.045 cm³, max. 2.137 cm³) e, após 6 meses 799 cm³ (min. 525 cm³, max. 1.604 cm³), constituindo uma redução média de 42,9%. A melhora clínica foi constatada em 25 das 26 pacientes. Uma paciente com útero de 1.098 cm³ apresentou necrose e expulsão parcial do mioma, sendo submetida à miomectomia. Outra paciente foi submetida à miomectomia após seis meses devido ao desejo de gravidez, apesar da redução parcial do volume dos miomas. Uma paciente com volume uterino de 2.201 cm³ necessitou de segunda intervenção para alcançar um resultado adequado. Nenhuma paciente foi submetida à histerectomia. Foram utilizadas em média 9,2 seringas de microesferas por paciente. CONCLUSÃO: a embolização de miomas uterinos de grande volume é um procedimento factível, com aceitáveis resultados clínico e radiológico. Pode ser considerada uma opção para as pacientes que desejam a preservação uterina e também servir como terapêutica adjuvante à miomectomia de alto risco. Resumo em inglês PURPOSE: to evaluate the effectiveness of uterine fibroid embolization (UFE) in patients with giant fibroids, with regard to both clinical outcomes and size reduction. METHODS: twenty-six patients with a mean age of 36.5 years, carrying symptomatic fibroids with a volume over 1,000 cm³, were referred for UFE. All patients had indication for percutaneous treatment. The procedures were performed under epidural anesthesia and sedation, using an institutional protocol. By un (mais) ilateral femoral access, selective catheterization of uterine arteries and infusion of calibrated microspheres through microcatheter were carried out. Clinical evaluation was performed by means of regular outpatient gynecology consultation. All patients underwent magnetic resonance imaging (MRI) before the procedure and 15 patients underwent control MRI after 6 months. RESULTS: technical success was 100%. There was no complication related to the procedures. Mean uterine volume of the 15 patients studied was 1,401 cm³ before embolization (min 1,045 cm³, max 2,137 cm³) and 799 cm³ after 6 months (525 cm³ min, max. 1,604 cm³), resulting in a total reduction of 42.9%. Clinical improvement was observed in 25 of 26 patients. One woman with uterine volume of 1,098 cm³ who developed necrosis and partial fibroid expulsion underwent myomectomy. Another patient was submitted to myomectomy six months after the procedure because she wanted to become pregnant, despite partial fibroid size reduction. One patient with a uterine volume of 2,201 cm³ required a second intervention to achieve an adequate angiographic result. No patient underwent hysterectomy. On average, 9.2 microsphere syringes were used per patient. CONCLUSION: embolization of giant uterine fibroids is a feasible procedure with acceptable clinical and radiological outcomes. It can be considered an option for patients who desire to preserve the uterus, and it may serve as adjuvant therapy for high-risk myomectomy.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)