Sample records for exposure chambers
from WorldWideScience.org

Sample records 1 - 7 shown.



1

Atraso do amadurecimento de banana 'Maçã' pelo 1-MCP, aplicado previamente à refrigeração/ Ripening delay of 'Apple' banana submitted to 1-MCP, prevoiously applied to refrigeration

Almeida, Gustavo Costa; Vilas Boas, Eduardo Valério de Barros; Rodrigues, Luiz José; Paula, Nélio Ranieli Ferreira de
2006-08-01

Resumo em português O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes períodos de exposição da banana 'Maçã' a 50 ppb de 1-MCP (0; 3; 6; 9; 12 e 24 horas) sobre sua vida pós-colheita e qualidade. Após exposição ao 1-MCP, os frutos verde-maturos foram armazenados por 30 dias em câmaras com temperatura de 13ºC ± 0,5 e umidade relativa de 95%. Em seguida, as bananas foram armazenadas à temperatura de 20ºC ± 1, até amarelecimento completo da casca. A exposi (mais) ção de banana 'Maçã' a 50 ppb de 1-MCP, por 9 horas, retardou em 7 dias o seu amadurecimento, em comparação a frutos não expostos ao 1-MCP, após 30 dias de armazenamento refrigerado (13ºC), sem prejuízos à sua aparência e composição química. A exposição de banana 'Maçã' a 50 ppb de 1-MCP, por 3 e 6 horas, não estendeu sua vida pós-colheita, tampouco alterou sua composição química. Embora a exposição de banana 'Maçã' a 50 ppb de 1-MCP, por 12 e 24 horas, tenha retardado o seu amadurecimento, promoveu alterações indesejáveis na casca do fruto. Logo, a aplicação de 50 ppb de 1-MCP, por 9 horas, antes da refrigeração, constitui-se numa alternativa viável para prolongar o período de comercialização da banana. Resumo em inglês The aim of this work was to evaluate 'Apple' banana different periods exposure effect to 50 ppb of 1-MCP (0, 3, 6, 9 and 24 hours) on its postharvest life and quality. Mature-green fruits were stored for 30 days in chambers at 13ºC + 0,5 and relative humidity 95%, after exposure to 1-MCP. Then, the bananas were stored at 20ºC + 1 until peel complete yellowing. 'Apple' banana to 50 ppb of 1-MCP exposure during 9 hours delayed in seven days the fruit ripening, comparing t (mais) o fruit control, after 30 days of cool storage (13ºC), without changing its appearance and chemical composition. The exposure of 'Apple' banana to 50 ppb of 1-MCP for 3 and 6 hours did not extend its postharvest life; neither changed its chemical composition. Although the exposure of 'Apple' banana to 50 ppb of 1-MCP for 12 and 24 hours has retarded its ripening, it promoted undesirable changes in the fruit peel. So, 1-MCP application for 9 hours at 50 ppb, before cool storage, is a viable alternative to extend banana's commercialization period.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

2

Controle da degenerescência da polpa da maçã fuji com concentrações dinâmicas de O2 e CO2 e redução da umidade relativa durante o armazenamento em atmosfera controlada/ Control of flesh breakdown on fuji apple with dynamic O2 and CO2 concentrations and low relative humidity during controlled atmosphere storage

Brackmann, Auri; Bortoluzzi, Glaucia; Bortoluz, Leandro
1999-09-01

Resumo em português O experimento teve como objetivo avaliar a influência da umidade relativa do ar (UR) e das concentrações dinâmicas de CO2 e O2 sobre a ocorrência de degenerescência da polpa e sobre a qualidade da maçã cv. Fuji após oito meses em atmosfera controlada (AC). Os frutos foram armazenados a 0,5°C, em condições de 1,5% de O2 + 0,5% de CO2, a 97% de UR (tratamento 1) e 92% de UR (tratamento 2) durante oito meses. Para o armazenamento em AC dinâmica, os frutos for (mais) am mantidos em condições de 0,5% de O2 + 0,5% de CO2 durante os quatro meses iniciais (tratamento 3) e finais (tratamento 4) de armazenamento e de 1,5% de O2 + 4% de CO2, durante os quatro meses iniciais (tratamento 5) e finais (tratamento 6) de armazenamento. Os frutos dos tratamentos 4 e 6 e dos tratamentos 3 e 5 foram mantidos no período inicial e final do armazenamento, respectivamente, em 1,5% de O2 + 0,5% de CO2. As avaliações foram realizadas no dia da saída dos frutos das câmaras e após os frutos permanecerem por nove dias em armazenamento refrigerado (sem controle da atmosfera), a 0,5°C e mais cinco dias à temperatura ambiente. A redução da concentração de O2 de 1,5% para 0,5%, em 0,5% de CO2, aumentou a degenerescência, principalmente quando utilizada nos meses finais do armazenamento. A elevação da concentração de 4% de CO2, nos quatro meses iniciais de armazenamento aumentou a incidência de degenerescência da polpa após exposição dos frutos à temperatura ambiente. Verificou-se que a redução da UR para 92% diminuiu significativamente a incidência de degenerescência e podridões. Os regimes de AC dinâmica não influenciaram na firmeza, SST e acidez dos frutos. Resumo em inglês The experiment was carried out to evaluate the effect of relative humidity (RH) and dynamic CO2 and O2 concentrations on flesh breakdown and quality of Fuji apple, after eight months in controlled atmosphere (CA). Fruits were stored at 0.5°C in atmosphere with 1.5% O2 + 0.5% CO2, 97% RH (treatment 1) and 92% RH (treatment 2) during eight months. Fruits stored in dynamic controlled atmosphere were kept in atmosphere with 0.5% O2 + 0.5% CO2 during four months at the beg (mais) inning (treatment 3) or at the end (treatment 4) of storage and 1.5% O2 + 4% CO2 during four months at the beginning (treatment 5) or at the end (treatment 6) of storage. Fruits from treatments 4 and 6 and treatments 3 and 5 were kept at beginning and final of storage, respectively, in 1.5% O2 + 0.5% CO2. The evaluations were done at opening of storage chambers and after nine days in cold storage and five days in shelf-life. Lowering O2 concentration from 1.5% to 0.5%, in 0.5% CO2, increased breakdown, specially when used in final months of storage. Exposure to 4% CO2 at the beginning of storage increased flesh breakdown incidence at shelf-life. Low RH (92%) decreased breakdown and rot incidence. Dynamic CA had no effects on flesh firmness, TSS and acidity of fruits.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

3

Influência da temperatura e da umidade relativa do ar na esporulação de Magnaporthe grisea em trigo/ Influence of temperature and relative air humidity on the sporulation of Magnaporthe grisea on wheat

Alves, Kalíbia Jane P.; Fernandes, José Maurício C.
2006-12-01

Resumo em português O fungo Magnaporthe grisea (Anamorfo Pyricularia grisea) é o agente causal da brusone do trigo (Triticum aestivum), uma doença limitante à cultura do trigo no Brasil em regiões produtoras localizadas acima do paralelo 24 °S. O objetivo do presente trabalho foi estudar o efeito da temperatura e da umidade relativa do ar na esporulação de M. grisea. O número médio de conídios foi determinado em ráquis de plantas de trigo previamente colonizados com o fungo e expo (mais) stos em câmaras de crescimento sob temperaturas de 23 e 28 ºC, e com umidade relativa do ar de 80, 85, 90, 95 e 100%. A determinação do número de conídios produzidos foi feita após 24, 48, 72 e 96 horas de exposição em cada combinação de temperatura e umidade. Os efeitos da temperatura e da umidade foram significativos (P 90%) e a temperatura se encontra ao redor de 28 ºC, a produção de conídios de M. grisea é favorecida. Resumo em inglês The fungus Magnaporthe grisea (anamorph Pyricularia grisea) is the causal agent of wheat blast (Triticum aestivum), an important disease for the wheat crop in Brazil. The disease is more frequent in wheat producing regions above the parallel 24 °S. The objective of the present work was to study the effect of temperature and relative air humidity in the sporulation of M. grisea. The average number of conidia was determined in raquis of wheat plants previously colonized by (mais) the fungus and exposed to growth chambers under temperatures of 23 and 28 ºC, and with relative humidity of 80, 85, 90, 95 and 100%. The number of produced conidia was determined after 24, 48, 72 and 96 hours of exposure in each combination of temperature and humidity. The effect of the temperature and the humidity was significant (P 90%) and temperature around 28 ºC.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

4

Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de milho e soja/ Accelerated aging as test of vigor for corn and soybean seeds

Dutra, Alek Sandro; Vieira, Roberval Daiton
2004-06-01

Resumo em português A avaliação do vigor de sementes tem sido ferramenta fundamental dentro do programa de controle de qualidade, sendo o teste de envelhecimento acelerado (EA) parte importante do processo. O trabalho foi desenvolvido com o objetivo de confirmar metodologia específica para avaliação do vigor de sementes, em laboratório, tendo como base o EA. Utilizou sementes de milho e soja, seis lotes para cada espécie, com padrões de qualidade (germinação) comercialmente aceitas (mais) . As condições de envelhecimento préestabelecidas foram 42ºC/96h e 45ºC/72h para milho e 41ºC/48 e 72h e 42ºC/48 e 72h para soja. Para cada combinação de temperatura e período de envelhecimento, as sementes foram colocadas em caixas plásticas, sobre tela, com 40mL de água destilada, distribuídas em camada única e com base no peso das mesmas. O envelhecimento foi feito usando-se dois tipos de câmara, BOD e jaquetada de água (CJ). Foi determinado o teor de água (TA) e a germinação das sementes antes e após o EA. A absorção de água pelas sementes considerando-se todas as combinações de período de exposição e temperatura, as duas câmaras e as duas formas de determinação do TA, foi maior quando as sementes foram acondicionadas em camada única em relação aquelas pesadas (massa constante), usando-se a câmara jaquetada. Para o milho, a combinação de 45ºC/72h com o acondicionamento das sementes em camada única foi o método mais eficiente para a separação dos lotes quanto ao vigor. Para soja, a combinação 42ºC/48h foi mais eficiente na separação dos lotes, não havendo interferência do método de acondicionamento das sementes, na tela. Conclui-se que a camada única e a câmara tipo BOD devem ser preferencialmente utilizadas no teste EA face aos menores custos de aquisição e manutenção da BOD, visando à separação de lotes quanto aos níveis de vigor, para milho e soja. Resumo em inglês The evaluation of the seed vigor has been a fundamental tool of quality control program and the accelerated aging test an important procedure for that. This work was carried out in order to search for specific methodologies of evaluation of seed vigor, in laboratory, based on the accelerated aging test. The research was conducted using six seed lots of corn and soybean species, with commercially accepted quality patterns (germination). The prior established conditions for (mais) aging were 42ºC/96h and 45ºC/72h for corn and 41ºC/48 and 72h and 42ºC/48 and 72h for soybean. For each combination of temperature and aging periods, the seeds were placed into plastic boxes (gerbox), with 40mL of distilled water, distributed on the screen, using single layer and based on the seed weight. For the aging, two chamber types, BOD and water jacketed were used. The moisture content and germination of seed lots, after aging, were determined. The water uptake considering the combinations of temperature/exposure period, the two chamber types and the two procedures of determining seed moisture content was higher when the seeds were conditioned in a single layer compared to weight (constant mass). For the corn, the combination of 45ºC/72h with the conditioning of the seeds in only layer was the most efficient method for the separation of the lots with relationship to the vigor. For soybean, the combination 42ºC/48h was more efficient in the separation of the lots, not having interference of the method of conditioning of the seeds, in the screen. Considering the results it can be concluded that the single layer distribution should be used for corn and soybean and the BOD chambers should also be used for accelerated aging test for both species.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

5

Produção de etileno em frutos de ameixeira ‘Prunus domestica’ sujeitos a duas temperaturas de conservação/ Ethylene production by ‘Prunus domestica’ plums during storage at two different temperatures

Rato, A.E.; Barroso, J.M.; Agulheiro, A.C.
2007-01-01

Resumo em português A síntese de etileno em frutos climatéricos tem sido bastante estudada pela influência que tem na conservação dos mesmos. Por esse motivo tem-se tentado através de alterações das condições ambientais, influenciar a produção de etileno. Em muitas espécies a exposição dos frutos ao frio favorece a síntese de etileno, quando estes são transferidos para a temperatura ambiente, também a actividade enzimática da ACC sintetase aumenta rapidamente nos frutos qu (mais) ando da sua passagem para a temperatura ambiente. Em algumas variedades de pêras e maçãs têm-se mesmo utilizado a exposição a baixas temperaturas apenas com o objectivo de conseguir uma maturação mais homogénea e uma textura aceitável. Relativamente à ameixeira Prunus domestica L. ‘Rainha Claudia Verde’ existe pouca informação acerca da expressão dos genes que controlam a maturação, mais concretamente das enzimas ACC sintetase e ACC oxidase. Durante a maturação da ameixa ‘Rainha Claudia Verde’ observa-se um aumento na produção de etileno e na taxa de respiração, paralelamente a um decréscimo da acidez e da firmeza dos frutos. No entanto, contrariamente à maioria das espécies fruteiras, nesta variedade observa-se uma diminuição na taxa de produção de etileno quando os frutos, sujeitos à conservação pelo frio, são posteriormente retirados para a temperatura ambiente. Este decréscimo é tanto mais acentuado quanto maior for o período de exposição ao frio. Esta variedade é habitualmente conservada entre os 0-2 ºC e apresentando um período de comercialização de 2 semanas após a colheita. Pretendeu-se com este trabalho perceber que tipo de efeito existe relativamente à produção de etileno nesta variedade. Estudou-se a influência de duas temperaturas de conservação, (1 ºC e 7 ºC ± 1 ºC), na produção de etileno. Os frutos foram sujeitos a diferentes períodos de conservação frigorífica: 0, 2, 5, 8 e 14 dias, ao fim dos quais era retirada uma amostra para monitorização da produção de etileno. Estudou-se ainda a evolução, da textura, da acidez, e do SSC (teor dos sólidos solúveis) dos frutos durante a sua conservação frigorífica. Dos resultados obtidos verificou-se que a conservação dos frutos a 7 ºC não influencia significativamente a produção de etileno, 0,3 nl/g/h, quando comparado com os frutos não sujeitos ao frio. Os frutos conservados à temperatura de 1 ºC durante 14 dias produziram menores quantidades de etileno quando comparados com os restantes grupos. Um período de conservação de 2 dias a 7 ºC induziu nos frutos um aumento na produção de etileno quando comparados com os frutos não sujeitos ao frio. Em ambas as temperaturas de conservação, verificou-se uma antecipação no pico do climatérico, quando se comparam frutos com e sem conservação frigorífica. Resumo em inglês Low temperatures interacts with ethylene biosynthesis and ripening in many species. Exposure fruits to low temperatures promotes ethylene biosynthesis in a number of apple and pears cultivars because low temperatures stimulates ACC synthase activity after fruits being warmed up.. Some pears and apples varieties required a cold treatment to achieve good colour, acceptable texture and flavour. In ‘Prunus domestica’ plums cv ‘Raínha Claudia verde’, a climacteric fruit, (mais) there is little information about ripening process but we observed after a cold storage period a decrease in ethylene production upon rewarming. The longer the storage period the stronger the depress in ethylene biosynthesis. This cultivar is usually stored at 0-2 ºC, it has small commercial period because of its short postharvest life. In cold chambers fruits became soft very quickly and improper to commercialise. The aim of this study was to compare the effect of two different storage temperatures (1 ºC and 7 ºC ±1º) during 0, 2, 5, 8, and 14 days in ethylene production upon rewarming of ‘Raínha Claudia Verde ‘plums. It was also studied, during cold storage, the evolution of fruits softening rate, % acidity and SSC (soluble solids content). Upon rewarming, it was observed at end of storage period (14 days), in fruits held at 1 ºC, a decrease in ethylene production, relative to controls. In fruits held at 7 ºC the storage period didn’t affected the maximum ethylene production, 0,3 nl/g/h.. A short period of cold (2 days at 7 ºC) induced an enhancement of ethylene production relative to fruits held at 20 ºC. SSC and % acidity showed an expected evolution. At end of storage period fruits showed a higher SSC and lower % acidity due to metabolic processes and transpiration. Fruits held at 7 ºC showed a higher SSC and a lower % acidity than fruits held at 1 ºC. Fruit firmness decrease during the storage period. Fruits held at 7 ºC remained significantly firmer after 14 days storage than fruits held at 1 ºC. Despite SSC and % acidity evolutions suggests that fruit storage conditions are better at lower temperatures, fruits held at 7 ºC showed a lower softening rate and a higher ethylene production rate than fruits held at 1 ºC. The role of ethylene in softening and ethylene cold induction of this cultivar may be clarified by future research on ACC oxidase and ACC synthase and in ethylene sensitivity.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

6

Ondas ultra-sônicas de alta freqüência causam disfunção endotelial em artérias coronárias caninas epicárdicas/ High-frequency ultrasonic waves cause endothelial dysfunction on canine epicardial coronary arteries

Discigil, Berent; King, R. Michael; Pearson, Paul J.; Capellini, Verena K.; Rodrigues, Alfredo José; Schaff, Hartzell V.; Evora, Paulo Roberto Barbosa
2008-06-01

Resumo em português OBJETIVO: Aplicação de energia por ultra-som pode facilitar a remoção da placa ateromatosa, mas o efeito desse procedimento em vasos próximos ainda é matéria de estudos experimentais. MÉTODOS: Para determinar se a energia ultra-sônica compromete a produção de óxido nítrico, segmentos de artérias coronárias caninas foram expostos a baixos (0-10 W) e altos (25 W) níveis de energia por 15 segundos, utilizando-se protótipo de aparelho para a realização de e (mais) ndarterectomia. Após exposição, segmentos das artérias coronarianas foram estudados em organ chambers. Para os ensaios farmacológicos foram utilizadas as seguintes drogas:difosfato de adenosina (ADP), acetilcolina (Ach) e fluoreto de sódio (NaF) para a avaliação do relaxamento dependente do endotélio. O nitroprussiato de sódio (NPS) e o isoproterenol foram utilizados para a avaliação do relaxamento independente do endotélio. RESULTADOS: A aplicação de alta energia ultra-sônica comprometeu o relaxamento dependente do endotélio induzido por ADP (10-9 - 10-4 M), Ach (10-9 - 10-4 M) e NaF (0,5 -9,5 mM) em artérias coronarianas epicárdicas. Entretanto, baixos valores de energia ultra-sônica não alteraram o relaxamento dependente do endotélio (nem o relaxamento máximo e nem a EC50) induzido pelos mesmos agonistas. O relaxamento da musculatura lisa vascular induzido por isoproterenol (10-9 - 10-5 M) ou NPS (10-9 - 10-6 M) não foi comprometido, tanto por baixos, quanto por altos níveis de energia ultra-sônica. CONCLUSÃO: Os experimentos demonstram que altas energias ultra-sônicas alteram a função endotelial. Entretanto, o ultra-som não altera a habilidade de relaxamento da musculatura lisa vascular de artérias caninas epicárdicas. Resumo em inglês OBJECTIVE: Application of ultrasound energy by an endarterectomy probe can facilitate the removal of atheromatous plaque, but the effect of this procedure on surrounding vessel structure and function is still a matter of experimental investigations. METHODS: To determine whether ultrasound energy impairs the production of nitric oxide or damages vascular smooth muscle function, isolated canine epicardial coronary artery segments were exposed to either high (25 W) or low ( (mais) 0-10 W) ultrasonic energy outputs, for 15 seconds, using an endarterectomy device prototype. After exposure, segments of epicardial coronary artery were studied in organ chambers. The following drugs were used: adenosine diphosphate (ADP), acetylcholine (Ach) and sodium fluoride (NaF) to study endothelium-dependent relaxation and sodium nitroprusside (SNP) and isoproterenol to evaluate endothelium-independent relaxation. RESULTS: Application of high ultrasonic energy power impaired endothelium-dependent relaxation to ADP (10-9 - 10-4 M), Ach (10-9 - 10-4 M) and NaF (0.5 - 9.5 mM) in epicardial coronary arteries. However, low ultrasound energy output at the tip of the probe did not alter the endothelium-dependent relaxation (either maximal relaxation or EC50) to the same agonists. Vascular smooth muscle relaxation to isoproterenol (10-9 - 10-5 M) or SNP (10-9 - 10-6 M) was unaltered following exposure to either low or high ultrasonic energy outputs. CONCLUSION: These experiments currently prove that ultrasonic energy changes endothelial function of epicardial coronary arteries at high power. However, ultrasound does not alter the ability of vascular smooth muscle of canine epicardial coronary arteries to relax.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

7

Efeitos da luz e da temperatura na germinação de sementes de Syngonanthus elegantulus Ruhland, S. elegans (Bong.) Ruhland e S. venustus Silveira (Eriocaulaceae)/ Light and temperature effects on seed germination of Syngonanthus elegantulus Ruhland, S. elegans (Bong.) Ruhland and S. venustus Silveira (Eriocaulaceae)

Oliveira, Patrícia Gonçalves; Garcia, Queila Souza
2005-09-01

Resumo em português O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da luz e da temperatura na germinação de sementes de Syngonanthus elegantulus Ruhland, S. elegans (Bong) Ruhland e S. venustus Silveira. Os experimentos foram realizados em câmaras de germinação sob luz e escuro contínuos nas temperaturas constantes de 15, 20, 25, 30, 35 e 40 ºC e alternadas de 25-15, 30-15, 35-15 e 3525 ºC. A germinabilidade foi baixa (36,5%), sob luz, em S. elegantulus na faixa de 15 a 30 ºC e elev (mais) ada em S. elegans (75%) e S. venustus (67,5%), na faixa de 20 a 30 ºC. A temperatura de 40 ºC inibiu a germinação de todas as espécies. No escuro, não ocorreu germinação de sementes de S. elegantulus, enquanto S. elegans apresentou valores de percentagem de germinação muito baixos (11,5%), a 25 e 30 ºC e S. venustus (21%), na faixa de 20 a 35 ºC. Temperaturas alternadas favoreceram a germinação como a faixa de temperatura ótima determinada para cada espécie. As espécies são fotoblásticas positivas em ampla faixa de temperatura, indicando adaptação das mesmas a ambientes abertos, expostos ao sol. Resumo em inglês The objective of this study was evaluate light and temperature effects on seed germination of the seeds of Syngonanthus elegantulus Ruhland, S. elegans (Bong) Ruhland and S. venustus Silveira. The experiments were carried out in germination chambers with continuous light or dark and constant temperatures of 15, 20, 25, 30, 35 and 40 ºC and alternated temperatures of 25-15, 30-15, 35-15 and 2535 ºC. The germination was low (36,5%), under light, in S. elegantulus in the r (mais) ange 15 to 30 ºC and high in S. elegans (75%) e S. venustus (67,5%) from 20 to 30 ºC. The temperature of 40 ºC inhibited germination of all species. In S. elegantulus no germination occurred in the darkness, while in S. elegans low germination percentage (11,5%) was observed at 25 and 30 ºC and in S. venustus (21%), in the range 20 to 35ºC. Alternated temperatures favored seed germination as well as the range of constant temperatures defined from species. The species are positive photoblastic in a wide range of temperature, indicating adaptation for opened environments, with sun exposure.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)