Sample records for dose-response relationships
from WorldWideScience.org

Sample records 1 - 5 shown.



1

Influência de variáveis do treinamento contra-resistência sobre a força muscular de idosos: uma revisão sistemática com ênfase nas relações dose-resposta/ Influence of counter-resistance training variables on elderly muscular strength: a systematic review with emphasis on dose/response relationships/ Influencia de las variables de entrenamiento contra-resistencia sobre la fuerza muscular de ancianos: una revisión sistemática con énfasis en las relaciones dosis-respuesta

Silva, Nádia Lima da; Farinatti, Paulo de Tarso Veras
2007-02-01

Resumo em português A força muscular é considerada componente importante de programas de exercícios físicos. Os benefícios desse tipo de treinamento dependem da combinação do número de repetições, séries, sobrecarga, seqüência e intervalos entre as séries e exercícios. No entanto, não se tem ainda muito clara qual a melhor combinação dessas variáveis para uma ótima relação dose-resposta em pessoas idosas. O objetivo do estudo foi analisar as pesquisas sobre treinamento (mais) de força para idosos, por meio de revisão sistemática, com o propósito de identificar tendências comuns em termos de efeitos do treinamento provocados pela manipulação dessas variáveis. Após definição de critérios de inclusão, foram selecionados 22 estudos, agrupados por similaridade de tratamento (número de séries, freqüência semanal, intensidade, intervalos e ordem dos exercícios). Técnicas de estatística descritiva auxiliaram na determinação de possíveis tendências nas relações dose-resposta. Uma vez identificadas, essas tendências foram analisadas qualitativamente. De todas as variáveis revisadas, somente para a intensidade da sobrecarga foram encontradas evidências permitindo afirmar que cargas maiores seriam mais eficazes para induzir aumento de força nessa faixa etária. Quanto às demais variáveis, os resultados disponíveis na literatura não dão respaldo para inferências seguras quanto ao melhor delineamento de programas de treinamento que aliem, ao mesmo tempo, efetividade e segurança. Recomenda-se, então, que estudos sejam realizados para comparar experimentalmente os efeitos da manipulação dessas variáveis sobre a força muscular de idosos. Resumo em espanhol La fuerza muscular es considerada componente importante de programas de ejercicios físicos. Los beneficios de ese tipo de entrenamiento dependen de la combinación del número de repeticiones, series, sobrecarga, secuencia e intervalos entre las series y ejercicios. A pesar de esto, no se tiene aún muy claro cuál es la mejor combinación de esas variables para una óptima relación dosis-respuesta en personas ancianas. El objetivo de este estudio ha sido analizar las i (mais) nvestigaciones sobre entrenamiento de fuerza para ancianos, mediante una revisión sistemática, con el propósito de identificar tendencias comunes en términos de efectos del entrenamiento provocados por la manipulación de estas variables. Una vez definidos los criterios de inclusión, fueron seleccionados 22 estudios, agrupados por semejanza de tratamiento (nº de series, frecuencia semanal, intensidad, intervalos y orden de los ejercicios). Técnicas de estadística descriptiva auxiliaron en la determinación de posibles tendencias en las relaciones dosis-respuesta. Al identificarse, esas tendencias fueron analizadas cualitativamente. De todas las variables revisadas, solamente para la intensidad de sobrecarga fueron encontradas evidencias, lo que permite afirmar que cargas mayores serían más eficaces para inducir un aumento de fuerza a esa edad. En relación a las demás variables, los resultados disponibles en la literatura no dan respaldo para realizar inferencias seguras respecto al mejor delineamiento de programas de entrenamiento que alíen, al mismo tiempo, efectividad y seguridad. Por tanto, se recomienda que estudios posteriores sean realizados para comparar experimentalmente los efectos de la manipulación de esas variables sobre la fuerza muscular de ancianos. Resumo em inglês Muscular force is considered an important component of physical exercise programs. The results of this type of training depend on the combination of the number of repetitions, series, overload, sequence and intervals between series and exercises. However, it is still not very clear yet what the best combination of these variables for a good stimulus/response relationship in elderly people is. The objective of this study was to analyze the research on power-training for el (mais) derly people by means of systematic revision, with the intention to identify common trends in terms of effect of the training provoked by the manipulation of these variables. After definition of inclusion criteria, 22 cases were selected and grouped by treatment similarity (number of series; weekly frequency; intensity; intervals and order of the exercises). Techniques of descriptive statistics were used in order to determine possible trends in the stimulus/response relationship. Once identified, these trends were qualitatively analyzed. Among the variables revised, only for intensity of overload evidence that allows affirming that heavier loads would be more effective to induce force increase in this age group was found. Concerning the remaining variables, the results available in the literature do not support accurate inferences in terms of the best type of training program that connects effectiveness and safety. Therefore further studies should be conducted in order to experimentally compare the effects of the manipulation of these variables on muscular force in elderly people.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

2

Influência das variáveis do treinamento contra-resistência sobre o consumo de oxigênio em excesso após o exercício: uma revisão sistemática/ Influence of resistance training variables on post-exercise oxygen consumption: a systematic review

Castinheiras Neto, Antonio Gil; Silva, Nádia Lima da; Farinatti, Paulo de Tarso Veras
2009-02-01

Resumo em português O exercício contra-resistência (ECR) pode contribuir para o aumento da taxa metabólica de repouso (TMR). É consenso na literatura que o volume da sessão de ECR pode repercutir em maior gasto calórico e que, após o exercício, o consumo de oxigênio em excesso (EPOC) pode variar de acordo com a característica do programa de exercício. Contudo, ainda não é possível definir qual ou quais variáveis de prescrição têm maior impacto sobre o EPOC em sessões de EC (mais) R. O objetivo do estudo foi efetuar uma revisão sistemática sobre os estudos que se propuseram a investigar as relações entre o EPOC e variáveis de treinamento em ECR. Os 17 estudos selecionados foram agrupados por similaridade de tratamento (número de séries, intensidade, intervalos de recuperação, velocidade da contração muscular e ordem dos exercícios). Técnicas de estatística descritiva foram utilizadas na tentativa de estabelecer possíveis tendências nas relações dose-resposta. Posteriormente, os dados foram analisados de forma qualitativa. De todas as variáveis analisadas, o curto intervalo de recuperação e o modo de prescrição no formato em circuito foram aquelas com maior impacto provável sobre a magnitude do EPOC. Quanto às demais variáveis, limitações metodológicas não permitem estabelecer tendências, principalmente no tocante à duração do EPOC. Adicionalmente, constata-se a necessidade de padronização de aspectos importantes para a quantificação do EPOC, como o tempo de observação do após o exercício e a forma de aferição da TMR. Resumo em inglês Resistance training (RT) may influence resting metabolic rate (RMR) increase. There is a consensus that the volume of the RT session may produce higher caloric expenditure and that the excess post-exercise oxygen consumption (EPOC) may vary according to the characteristics of the exercise program. However, it is not possible yet to define which prescription variables have greater impact on the EPOC. The aim of the present study was to systematically review the studies tha (mais) t investigated the relationship between EPOC and training variables. A total of 17 studies were selected, being organized according to treatment similarity (number of sets, intensity, rest interval, speed of muscle contraction and exercise order). Descriptive statistical techniques were used to establish possible tendency in dose-response relationships. Subsequently, data were qualitatively analyzed. The available evidence suggested that a short rest interval and the circuit training prescription mode had the greatest impact on the EPOC magnitude. As for the other variables, it was not possible to establish any tendency due to methodological limitations, especially concerning EPOC duration. In addition, it seems to be necessary to standardize important aspects of the EPOC assessing, such as the period of observation after exercise and criteria for measuring RMR.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

3

Postura materna durante a gestação e sua influência sobre o peso ao nascer/ Maternal posture and its influence on birthweight

Takito, Monica Yuri; Benício, Maria Helena D'Aquino; Latorre, Maria do Rosário Dias de Oliveira
2005-06-01

Resumo em português OBJETIVO: Avaliar a relação entre postura/atividade física materna e o peso inadequado ao nascer. MÉTODOS: Coorte prospectiva com 152 gestantes de serviço de assistência pré-natal de baixo risco de um hospital especializado, localizado no Município de São Paulo. Para cada gestante foram realizadas três entrevistas ao longo da gestação, quando foi avaliada a freqüência de atividades físicas diárias. O peso ao nascer (inadequado 3.000 g) (mais) foi a variável dependente e as variáveis de freqüência de atividades físicas foram as variáveis independentes. Foi realizada análise estatística de regressão logística univariada e múltipla, tendo como variáveis de controle a escolaridade, tabagismo, morar com o companheiro e estado nutricional inicial. RESULTADOS: Foi identificado como fator de proteção para o peso inadequado ao nascer a realização de caminhada no primeiro período da gestação por menos de 50 min (OR ajustado =0,44; IC 95%: 0,20-0,98). A permanência em pé parada por mais de 2,5 horas mostrou acentuado risco no segundo trimestre (OR ajustado =3,23; IC 95%: 1,30-7,99). Dentre as atividades que requerem a postura ereta, identificou-se relação do tipo dose-resposta para lavar roupa e cozinhar (p de tendência linear Resumo em inglês OBJETIVE: To analyze the relationship between maternal posture/physical activity and inadequate birthweight. METHODS: Prospective cohort study involving 152 pregnant women from a public low-risk antenatal care facility. Three interviews evaluating the frequency of physical activity were administered to each pregnant woman during gestation. Birthweight (inadequate when 3,000 g) was the dependent variable and the frequency of physical activity th (mais) e independent variable. Statistical analysis was performed using logistic univariate analysis and multiple regression controlling for schooling, smoking, living with spouse, and baseline nutritional status. RESULTS: The practice of walking for at least 50 minutes during the first period of pregnancy was identified as a protective factor against inadequate birthweight (adjusted OR=0.44; 95% CI: 0.20-0.98). Standing for 2.5 hours or longer during the second semester of pregnancy was associated with increased risk (adjusted OR=3.23; 95% CI: 1.30-7.99). Dose-response relationships were identified for washing clothing by hand and cooking (p-value for linear trend

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

4

Postura materna durante a gestação e sua influência sobre o peso ao nascer/ Maternal posture and its influence on birthweight

Takito, Monica Yuri; Benício, Maria Helena D'Aquino; Latorre, Maria do Rosário Dias de Oliveira
2005-06-01

Resumo em português OBJETIVO: Avaliar a relação entre postura/atividade física materna e o peso inadequado ao nascer. MÉTODOS: Coorte prospectiva com 152 gestantes de serviço de assistência pré-natal de baixo risco de um hospital especializado, localizado no Município de São Paulo. Para cada gestante foram realizadas três entrevistas ao longo da gestação, quando foi avaliada a freqüência de atividades físicas diárias. O peso ao nascer (inadequado 3.000 g) (mais) foi a variável dependente e as variáveis de freqüência de atividades físicas foram as variáveis independentes. Foi realizada análise estatística de regressão logística univariada e múltipla, tendo como variáveis de controle a escolaridade, tabagismo, morar com o companheiro e estado nutricional inicial. RESULTADOS: Foi identificado como fator de proteção para o peso inadequado ao nascer a realização de caminhada no primeiro período da gestação por menos de 50 min (OR ajustado =0,44; IC 95%: 0,20-0,98). A permanência em pé parada por mais de 2,5 horas mostrou acentuado risco no segundo trimestre (OR ajustado =3,23; IC 95%: 1,30-7,99). Dentre as atividades que requerem a postura ereta, identificou-se relação do tipo dose-resposta para lavar roupa e cozinhar (p de tendência linear Resumo em inglês OBJETIVE: To analyze the relationship between maternal posture/physical activity and inadequate birthweight. METHODS: Prospective cohort study involving 152 pregnant women from a public low-risk antenatal care facility. Three interviews evaluating the frequency of physical activity were administered to each pregnant woman during gestation. Birthweight (inadequate when 3,000 g) was the dependent variable and the frequency of physical activity th (mais) e independent variable. Statistical analysis was performed using logistic univariate analysis and multiple regression controlling for schooling, smoking, living with spouse, and baseline nutritional status. RESULTS: The practice of walking for at least 50 minutes during the first period of pregnancy was identified as a protective factor against inadequate birthweight (adjusted OR=0.44; 95% CI: 0.20-0.98). Standing for 2.5 hours or longer during the second semester of pregnancy was associated with increased risk (adjusted OR=3.23; 95% CI: 1.30-7.99). Dose-response relationships were identified for washing clothing by hand and cooking (p-value for linear trend

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

5

Bioensaios para identificação de biótipos de Euphorbia heterophylla com resistência múltipla a inibidores da ALS e da PROTOX/ Greenhouse and laboratory bioassays for identification of Euphorbia heterophylla biotypes with multiple resistance to PROTOX and ALS-inhibiting herbicides

Trezzi, M.M.; Vidal, R.A.; Kruse, N.D.; Nunes, A.L.
2006-09-01

Resumo em português Quatro bioensaios, dois em casa de vegetação e dois em laboratório, foram conduzidos com o objetivo de identificar biótipos de Euphorbia heterophylla (EPHHL) com resistência múltipla a inibidores da ALS e da PROTOX. Em casa de vegetação, plantas do biótipo suscetível (S) e dos biótipos 4 e 23, suspeitos de resistência múltipla, foram aspergidas com diferentes doses de imazethapyr e fomesafen. Nos bioensaios em laboratório, sementes dos biótipos S e 4 foram (mais) depositadas em placas de Petri contendo diferentes concentrações dos mesmos herbicidas. Curvas de dose-resposta foram ajustadas, utilizando os modelos logístico e polinomial, respectivamente, para os dados obtidos em casa de vegetação e em laboratório. Em casa de vegetação, o fator de resistência (FR) a imazethapyr para o biótipo 4 foi superior a 24, enquanto para o biótipo 23 ele foi de 15. Os FRs a fomesafen foram, respectivamente, de 62 e 39, para os mesmos biótipos. Em um período de 144 horas, concentrações de imazethapyr e fomesafen no bioensaio em laboratório foram capazes de discriminar os crescimentos da parte aérea e radicular dos biótipos de EPHHL com resistência múltipla e S. Os resultados confirmam ser tanto os testes em casa de vegetação quanto os laboratoriais, utilizando placas de Petri, metodologias apropriadas para discriminar biótipos de EPHHL S daqueles com resistência múltipla. Resumo em inglês Four bioassays were developed under greenhouse and laboratory conditions to identify Euphorbia heterophylla (EPHHL) biotypes with multiple resistance to PROTOX and ALS-inhibiting herbicides. In the greenhouse bioassays, plants of a susceptible (S) biotype and of two biotypes suspected of multiple resistance (#4 and #23) were sprayed using different levels of the herbicides imazethapyr and fomesafen. The laboratory bioassays consisted of a comparative test between biotypes (mais) S and #4, exposed to germination in imazethapyr and fomesafen solutions. Dose-response relationships were adjusted using logistic and polynomial models, respectively, for data obtained from greenhouse and laboratory bioassays. For biotype #4, the resistance factor (RF) to imazethapyr was above 24, while for biotype #23 it was 15. FR to fomesafen were, respectively, 62 and 39, for the same biotypes. In the laboratory bioassay, a period of 144 hours was sufficient to discriminate differencial growth response to imazethapyr and fomesafen levels between R and S biotypes. The results confirm that both greenhouse and laboratory tests with Petri dishes are appropriate methodologies to discriminate S and multiple R EPHHL biotypes.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)