Sample records for corticoids
from WorldWideScience.org

Sample records 1 - 15 shown.



1

Uso de corticóide como inibidor da resposta inflamatória sistêmica induzida pela circulação extracorpórea/ Corticoid as an inhibitor of systemic inflammatory response, induced by cardiopulmonary bypass

BRASIL, Luiz Antonio; GOMES, Walter José; SALOMÃO, Reinaldo; FONSECA, José Honório Palma; BRANCO, João Nelson Rodrigues; BUFFOLO, Enio
1999-07-01

Resumo em português A circulação extracorpórea (CEC) propicia o desenvolvimento de uma Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêmica, com liberação de citocinas responsáveis por várias manifestações clínicas. OBJETIVO: Observar a liberação das citocinas Fator de Necrose Tumoral Alfa (TNFa) e Interleucina 6 (IL-6) e verificar as alterações clínicas produzidas em pacientes submetidos à revascularização do miocárdio com CEC, utilizando ou não (mais) corticóide. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Foram estudados 30 pacientes, sendo 15 (Grupo I) com uso de corticóide (Metilprednisolona, 30 mg/kg) e 15 (Grupo II) sem uso de corticóide. Amostras sangüíneas seriadas foram colhidas, sendo analisadas a liberação de TNFa e IL-6, contagem de leucócitos, VHS e glicemia. Foram comparadas a pressão arterial, freqüência cardíaca, temperatura, sangramento pós-operatório, tempo de intubação orotraqueal e necessidade de drogas vasoativas. Na análise estatística foram considerados significativos valores de p £ 0,05. RESULTADOS: No Grupo I o TNFa não foi detectado e a IL-6 foi detectada em 13 pacientes, com níveis variando de 8,6 a 101,8 pg/ml. No Grupo II o TNFa foi detectado em 13 pacientes, com níveis entre 5,4 e 231,0 pg/ml. A IL-6 neste grupo foi detectada nos 15 pacientes, sendo seus níveis mais elevados que aqueles encontrados no Grupo I, variando entre 5,5 e 2569,0 pg/ml. Os pacientes do Grupo I apresentaram pressão arterial média mais elevada (7,9 ± 0,5 vs 7,3 ± 0,4 mmHg), menor necessidade de drogas vasoativas (5 vs 11). Evoluíram com menos taquicardia (105,6 ± 5,9 vs 109,3 ± 7,2 bpm), temperatura menos elevada (36,5 ± 0,2 vs 37,3 ± 0,2 °C), menor sangramento pós-operatório (576,6 ± 119,5 vs 810,0 ± 176,2 ml), menor tempo de intubação orotraqueal (11,0 ± 2,0 vs 14,6 ± 2,9 h) e leucocitose menos acentuada. Os níveis de glicemia só foram significativos (Grupo I > Grupo II) nas amostras colhidas no PO imediato e 1º PO. O VHS não apresentou diferença estatisticamente significativa entre os dois grupos. CONCLUSÕES: A metilprednisolona inibiu significantemente a liberação de citocinas pró-inflamatórias principalmente o TNFa. Os efeitos sistêmicos adversos decorrentes da reação inflamatória pós-CEC foram atenuados com o uso do corticóide. Resumo em inglês Cardiopulmonary bypass (CPB) induces the development of a systemic inflammatory response syndrome, with the release of cytokines that are responsible for many clinical manifestations. PURPOSE: The purpose of the study was to observe the release of the cytokines - tumor necrosis factor alpha (TNFa) and Interleukine-6 (IL-6), and to verify the clinical alterations produced in patients undergoing myocardial revascularization with CPB, with or w (mais) ithout corticoids. MATERIAL AND METHODS: Thirty patients were studied - 15 used corticoid (methylprednisolone, 30 mg/kg -Group I) and 15 did not (Group II). Serial blood samples were collected and the TNFa and IL-6 release were analyzed, as well as the leukocyte count, erythrocyte sedimentation rate and glycemia. The blood pressure, cardiac rate, temperature, postoperative bleeding, orotracheal tubing time and inotropic drug requirement were also compared. Statistical significance was assumed when p £ 0.05. RESULTS: In Group I TNFa was not detected and IL-6 was detected in 13 patients, with levels ranging from 8.6 to 101.8 pg/ml. In Group II TNFa was detected in 13 patients, with levels between 5.4 and 231.0 pg/ml. The IL-6 in this group was detected in 15 patients, with higher levels than those in Group I, varying between 5.5 and 2569.0 pg/ml. The Group I patients had higher medium blood pressure (7.9 ± 0.5 vs 7.3 ± 0.4 mmHg) and lower inotropic drug requirement (5 vs 11). They evolved with less tachycardia (105.6 ± 5.9 vs 109.3 ± 7.2 bpm), lower temperature (36.5 ± 0.2 vs 37.3 ± 0.2°C), lower postoperative bleeding, (576.6 ± 119.5 vs 810.0 ± 176.2 ml), shorter orotracheal tubing time (11.0 ± 2.0 vs 14.6 ± 2.9 hs) and lower leukocytosis. The glycemia level was just significant (Group I > Grupo II) in the immediate postoperative and in the first postoperative samples. The erythrocyte sedimentation rate did not present significant statistical difference between the two groups. CONCLUSION: The methylprednisolone significantly inhibited the release of inflammatory cytokines mainly the TNFa. The systemic adverse effects caused by the inflammatory response after CPB were minimized by corticoid use.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

2

Estudo controlado do uso endovenoso de sulfato de magnésio ou de salbutamol no tratamento precoce da crise de asma aguda grave em crianças/ Randomized clinical trial of intravenous magnesium sulfate versus salbutamol in the early management of severe acute asthma in children

Santana, João Carlos; Barreto, Sérgio Saldanha Menna; Piva, Jefferson Pedro; Garcia, Pedro Celiny
2001-08-01

Resumo em português OBJETIVOS: estudar os efeitos da administração endovenosa de sulfato de magnésio (MgEV) ou de salbutamol (SalbEV) em crianças com crise de asma aguda. MÉTODOS: estudo randomizado, duplo-cego e controlado por placebo. Incluídas crianças maiores de 2 anos admitidas em sala de observação com crise de asma aguda grave (refratária a três nebulizações com beta-adrenérgicos). Após a admissão, recebiam tratamento convencional (oxigênio, corticóides, nebulizaçõ (mais) es com beta-adrenérgicos) e eram alocadas a receber uma de três soluções indistinguíveis entre si: a) MgEV (50 mg/kg); b) SalbEV (20 µg/kg); ou c) solução salina, que eram administradas em 20 minutos (1ml/kg/hora). Avaliações clínicas, dosagens de eletrólitos e gases arteriais foram registrados antes e 1 hora após a infusão das drogas. RESULTADOS: foram estudados 50 pacientes (+ 4,5 anos e 53% de meninas), sem diferenças significativas entre os 3 grupos. No grupo MgEV, observou-se redução da pressão arterial durante a infusão, que retornou ao normal 1 hora após, associado com aumento (p Resumo em inglês OBJECTIVE: To study the efficacy of intravenous magnesium sulfate and intravenous salbutamol in the treatment of severe asthma in children. METHODS: Randomized, double-blind, placebo-controlled clinical trial, including children above 2 years of age with severe acute asthma admitted to the observation ward of the Pediatric Intensive Care Unit of Hospital São Lucas. All patients received conventional treatment (oxygen, corticoids, beta-adrenergics) on admission, and later (mais) received one of the following solutions: a) IVMg (50 mg/kg); b) intravenous salbutamol (20 µg/kg); c) saline solution (1 ml/kg/min). Clinical assessments, electrolyte concentration, and arterial blood gas analyses were recorded before intravenous infusion and one hour after that. RESULTS: Fifty patients participated in this study (of whom 53% were females, mean age = 4.5 years). There were no significant differences among the three groups. The group that received IVMg presented lower blood pressure during administration, which reached normal levels one hour afterwards, along with an increase in serum magnesium (P

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

3

Uso do sulfato de magnésio por via venosa e nebulização para o tratamento da asma aguda na emergência/ Use of the intravenous and nebulized magnesium sulfate for the treatment of the acute asthma in the emergence

Barbosa, Fabiano Timbó; Barbosa, Luciano Timbó; Cunha, Rafael Martins da; Gonçalves, Giulliano Peixoto; Souza, Diego Agra de
2007-09-01

Resumo em português JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Tem sido mostrado que o sulfato de magnésio apresenta benefícios em adultos e crianças asmáticos, com fraca resposta aos agentes beta-agonistas e corticóides sistêmicos no departamento de emergência. O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão não sistemática acerca do tratamento da asma aguda com sulfato de magnésio por via venosa e nebulização na emergência. CONTEÚDO: As primeiras investigações que demonstraram benefício (mais) no uso do sulfato de magnésio na asma são de 1938. Os efeitos do sulfato de magnésio podem ser mediados através da ação antagonista do cálcio ou através da função de co-fator em sistemas enzimáticos envolvendo o fluxo iônico através da membrana celular. Foi realizada uma revisão de literatura através da base de dados MedLine nos últimos seis anos (2000 a 2006) e incluídos os artigos publicados na língua inglesa, através do cruzamento dos unitermos asma e sulfato de magnésio. CONCLUSÕES: A administração de rotina do sulfato de magnésio por via venosa e nebulização em pacientes com asma aguda grave que se apresentam no serviço de emergência não é recomendado; entretanto, como um tratamento adjuvante obtém-se algum benefício. Resumo em inglês BACKGROUND AND OBJECTIVES: Magnesium sulfate has been shown to benefit asthmatic children and adults with poor responses to initial beta-agonist therapy and systemic corticoids in the emergency department. The aim of this study was to realize a no systematic review about the treatment of the acute asthma with intravenous and nebulized magnesium sulfate in the emergence. CONTENTS: The first investigations that demonstrate the benefit in the use of the magnesium sulfate in (mais) asthma date to 1938. The effects of magnesium sulfate may be mediated through its action as a calcium antagonist or through its function as a cofactor in enzyme systems involving ion flux across cell membranes. We realized a literature review using MedLine database of the last six years (2000 to 2006). Articles published in English were included by the crossing of keywords asthma and magnesium sulfate. CONCLUSIONS: The routine administration of intravenous and nebulized magnesium sulfate to severely ill patients with acute asthma presents in the emergence department is not recommended, however as an adjunct therapy brings some benefit.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

4

Alterações fetais induzidas pelo uso de antiinflamatórios durante a gestação/ Fetal alterations induced by the use of antiinflammatory drugs during gestation

Fonseca, Cláudia Sampaio; Viloria, Marlene Isabel Vargas; Repetti, Leandro
2002-06-01

Resumo em português Em geral, todos os efeitos dos antiinflamatórios estão relacionados com a inibição da ciclo-oxigenase (COX) do ácido araquidônico e, portanto, inibição da produção de prostaglandinas e tromboxanos. Existem dois tipos de COX, quais sejam COX-1 e COX-2. A COX-1 é uma enzima constitucional expressa em muitos tecidos, incluindo plaquetas sangüíneas, e está envolvida na homeostase tecidual. Por outro lado, a COX-2 é induzida em células inflamatórias quando ela (mais) s são ativadas, sendo considerada a enzima que produz os mediadores da inflamação da classe dos prostanóides. A ação dos antiinflamatórios está relacionada à inibição da COX-2 e é provável que seus efeitos indesejados se devam principalmente à inibição da COX-1. Tratamentos maternos com antiinflamatórios não esteroidais (AINEs) têm sido associados, com freqüência, à vasoconstrição do ducto arterioso fetal, hipertensão arterial pulmonar e inibição da agregação plaquetária. Alterações na hemostasia são alguns dos efeitos colaterais produzidos pelo uso incontrolado dos AINEs, os quais induzem a um desequilíbrio na liberação de prostaglandinas e tromboxanos, que se reflete na adesividade e agregação plaquetária. As alterações hemostáticas observadas em neonatos, decorrentes do uso de salicilatos pela mãe, ocorrem devido à inibição da agregação plaquetária e à diminuição da atividade do fator XII relacionado à coagulação sangüínea. Estudos em camundongos revelaram que o uso de corticóides durante a gestação pode levar a anormalidades no desenvolvimento fetal, por alterações na diferenciação celular. Resumo em inglês In general, all effects of the antiinflammatory drugs are related to the inhibition of the arachidonic acid and inhibition of prostaglandins and tromboxans production. Two types of ciclo-oxygenasis (COX) exist, which are COX-1 and COX-2. COX-1 is a constitutional enzyme expressed in many sites, including platelets, and is involved in tecidual homeostasis. On the other hand, COX-2 is induced in inflammatory cells when they are activated, and it is considered as being the e (mais) nzyme that produces the mediators of the inflammation. The action of antiinflammatory drugs is related to the inhibition of COX-2 and is probable that their undesirable effects are due mainly to the inhibition of COX-1. Maternal treatments with NSAIDs have been frequently associated, with the vasoconstriction of the fetal ductus arteriosus, lung arterial hypertension and inhibition of platelet aggregation. Alterations in hemostasis are some of the collateral effects produced by the indiscriminate use of NSAIDs, which induce to an unbalance in the prostaglandins and tromboxans liberation, that are reflected in the adhesiveness and platelet aggregation. The haemostatic alterations observed in neonates, caused by salicilates’s ingestion by the mother, are due to inhibition of the platelet aggregation and the decrease of the activity of the factor XII related to the clotting. Studies in mice revealed that corticoids’s use during the gestation can lead to abnormalities in fetal development, because of the alterations in the cellular differentiation.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

5

Atopia e auto-imunidade: A propósito de um caso clínico/ Atopy and autoimmunity: A case report

Alfaro, M; Tapadinhas, F; Neves, AM; Trindade, J Costa
2007-09-01

Resumo em português Atopia, imunodeficiência e auto- imunidade são manifestações de disfunção do sistema imunológico. A atopia e a auto-imunidade são classicamente referidas como reacções imunológicas distintas. Estudos recentes sugerem a existência de possíveis mecanismos patogénicos comuns. Descrevemos o caso de uma adolescente com antecedentes familiares de asma brônquica e de miastenia gravis materna (HLA-B8) e com antecedentes pessoais de infecções respiratórias altas (mais) de repetição dos dois aos quatro anos, iniciando as pneumonias desde os cinco anos (3-4 por ano, em 3 anos consecutivos), associados a dispneia e hipoxemia, necessitando com frequência de internamento hospitalar. Na investigação efectuada os marcadores de atopia revelaram-se inicialmente negativos, sendo excluídas outras hipóteses, como tuberculose, fibrose quística, défice de α-1 anti-tripsina, cardiopatia congénita, malformações broncopulmonares ou aspiração de corpo estranho. Mais tarde, a repetição das análises confirmou finalmente atopia com IgE, RAST e testes de sensibilidade cutânea positivos (ácaros e pólenes). Foram detectados imunocomplexos circulantes e défice de IgG2, 3 e 4. O estudo dos auto-anticorpos mais frequentes e das precipitinas foi negativo e o estudo dos antigénios de histocompatibilidade revelou a presença de HLA-B8 (idêntico ao materno). A cintigrafia de ventilação-perfusão e as provas de função respiratória foram normais. Fez terapêutica com anti-histamínicos, corticóides tópicos e broncodilatadores, verificando-se a diminuição progressiva do número de infecções respiratórias e boa evolução clínica. Aos 16 anos voltou a ser internada, desta vez com o diagnóstico de eritema nodoso e suspeita clínica de sindroma de Sweet, com boa evolução. A relação entre atopia e auto-imunidade é enfatizada pelos autores, não correspondendo a sua ocorrência concomitante a uma associação meramente estatística, mas a um desequilíbrio global do sistema imunológico, com envolvimento simultâneo de diferentes tipos de hipersensibilidade. Resumo em inglês Atopy, immunodeficiency and autoimmunity are manifestations of immune system dysfunction. Classically atopy and autoimmunity are referred as distinct immunological reactions. Recent studies suggest the existence of common pathogenic mechanisms. We report the case of a teenager with familial history of asthma and miasthenia gravis in her mother (HLAB8+) and personal history of recurrent upper respiratory infections from two to four years old, and pneumonia since five years (mais) old (3 or 4 episodes/ year, in three consecutive years), with associated dyspnoea and hypoxemia, requiring frequently hospital admission. Investigation was initially negative for atopy markers, and excluded other hypothesis as tuberculosis, cystic fibrosis, α-1 antitrypsin deficiency, congenital heart disease, bronchopulmonary malformations or foreign body aspiration. Latter, further exams finally confirmed atopy with a rised IgE, positive RAST and cutaneous sensitivity tests (for house dust mites and pollen) and revealed circulating immune complexes and IgG 2, 3 e 4 deficit. Most frequent autoantibodies and precipitins study were negative, and histocompatibility antigens study revealed HLA- B8 (as her mother). Ventilation-perfusion scintigraphy and respiratory function tests were normal. Antihistamines, topical corticoids and bronchodilators were done with an excellent clinical response. At 16 years- old she is admitted again with the diagnosis of erythema nodosum and the clinical suspicion of Sweet’s syndrome, having a good evolution. The relation between atopy and autoimmunity is enfatized by the authors. This simultaneous occurrence does not correspond merely to a statistical association, but may represent a global immune system impairment, with the involvement of different types of hypersensibility.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

6

Infliximabe no tratamento inicial da retocolite ulcerativa moderada e grave. Terapia top down: relato preliminar/ Infliximab: first line therapy in severe ulcerative colitis. Preliminary report

Teixeira, Fabio Vieira; Saad-Hossne, Rogério; Carpi, Maurício Rampinelli; Teixeira, Ana Claudia de Aquino; Teixeira Júnior, Paulo
2008-09-01

Resumo em português OBJETIVO: A primeira opção para o tratamento da retocolite ulcerativa inespecífica (RCU) se resume em: salicilatos (mesalazina e sulfassalazina) nos casos leves, e corticóides nos casos mais graves. Recentemente, em novembro de 2006, o Ministério da Saúde aprovou o infliximabe (REMICADE ® - Mantecorp - Brasil), anticorpo monoclonal murino contra o fator de necrose tumoral / TNF, para o tratamento da RCU (Escore de Mayo acima de 7). Entretanto, a droga somente tem s (mais) ido usada como última opção naqueles pacientes refratários ao tratamento convencional ou que sejam corticodependentes. O objetivo desse estudo foi relatar o uso do infliximabe como primeira opção para o tratamento de dois pacientes portadores de RCU tratados no Hospital UNIMAR e no ambulatório de Doenças Inflamatórias Intestinais da FME-UNIMAR. MÉTODOS E RESULTADOS: Paciente 1: AZF, 52 anos, sexo feminino, foi diagnosticada primeiramente com o RCU baseado na história e no exame clínico; Colonoscopia compatível com pancolite e biópsia positiva para RCU (microabscesso de cripta). O escore de Mayo era 10 (escala: 0 a 12 / 0 = assintomática 12 colite grave). Recebeu infusão intravenosa de infliximabe (5mg / Kg de peso) nas semanas 0, 2, 6 e 14 (indução). Posteriormente, foi introduzido mesalazina 4,5 g/dia como terapia de manutenção. Observou-se resposta clínica significativa baseada no escore de Mayo analisado após as doses de indução (escore de 10 para 7 - redução de 7 pontos) Atualmente, a paciente está assintomática. Paciente 2: MLA, 45 anos, sexo feminino, com queixa de diarréia muco-sanguinolenta; colonoscopia compatível com colite de cólon esquerdo; biópsia positiva; escore de Mayo de 9 pontos. A paciente recebeu infliximabe EV (5mg/Kg de peso) nas semanas 0, 2, 6 e 14. Após a indução foi introduzido a mesalazina 4.2 g/dia. Atualmente, a paciente está assintomática com escore de Mayo de 2 pontos. CONCLUSÕES: Após extensa revisão bibliográfica, acreditamos que esse seja o primeiro relato em língua Portuguesa do uso de um agente biológico como primeira opção no tratamento da RCU. No entanto, mesmo com o sucesso obtido, esse relato inicial deve ser analisado com cautela. A pergunta se o uso do infliximabe seria a melhor opção na terapia inicial das formas graves da RCU, ainda precisa ser respondida por meio de estudos randomizados e controlados. Resumo em inglês The first option for the treatment of UC is both: salicylates or corticoids. Recently, in late November of 2006, the Brazilian Ministry of Health has approved infliximab (Remicade ©, Mantecorp, Brazil) to treat ulcerative colitis. We report the use of infliximab as a first option for the treatment of two patients with severe ulcerative colitis. CASE REPORT: Patient 1: AZF, 52 years-old, female, was first diagnosed with UC after history and clinical examination; colonosco (mais) py showed pancolitis with positive biopsy (crypt microabscess). Her Mayo score was 10 (range: 0 to 12 / asymptomatic to severe colitis). She received intra venous infusion of infliximab at a dose of 5mg/Kg of body weigh at week 0, 2, 6 and 14. Then, patient was given mesalazine 4.5 g / day for maintenance therapy. Clinical response was defined as a decreased from baseline in the total Mayo score of at least 3 points. At present, patient is asymptomatic with Mayo score of 3 one moth after the last dose of infliximab. Patient 2: MLA, 45 years-old, female was first diagnosed with bloody diarrhea; colonoscopy showed left colitis and the biopsy was positive for ulcerative colitis. Her Mayo score was 9. She was offered and accepted the step down treatment. She was given infliximab 5mg/Kg of body weight at week 0, 2, 6 and 14. After initial treatment with infliximab, she received mesalazine 4.2 g / day. At present, she is asymptomatic with Mayo score of 2 eighteen days after the last dose of infliximab. At our knowledge, this is the first Brazilian report of the use of infliximab as fist-line therapy in ulcerative colitis. Few days after the begging of the infusion, an impressive clinical and colonoscopy improvement was seen in these two patients. Recently, it has been reported the use of infliximab as first-line therapy in pediatric Crohn disease. Infliximab could be a good option in cases of moderate and severe UC to avoid the side effects of the use of high doses of corticoids in patients with moderate and severe UC. However, the question if step-down therapy in ulcerative colitis is better then conventional therapy with salicylates and corticoids needs to be answered by randomized trials.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

7

Condutas usuais entre os reumatologistas brasileiros: levantamento nacional/ Routine clinical practices of Brazilian rheumatologists: national overview

Medeiros, Marta M. C.; Ferraz, Marcos Bosi; Vilar, Maria José Pereira; Santiago, Mittermayer Barreto; Xavier, Ricardo Machado; Levy, Roger Abramino; Ciconelli, Rozana Mesquita; Kowalski, Sérgio Candido
2006-04-01

Resumo em português OBJETIVO: avaliar condutas tomadas pelos reumatologistas de todo Brasil frente a situações clínicas comuns na prática do dia-a-dia. MÉTODO: cenários clínicos fictícios sobre várias doenças reumáticas foram montados, com perguntas objetivas acerca do tratamento. Os questionários foram enviados aos 831 sócios com títulos de especialistas pela Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), com envelope selado para envio das respostas. RESULTADOS: a taxa média de (mais) devolução dos questionários foi de apenas 21,4%. A média de idade (DP) dos reumatologistas respondedores foi de 42,7 anos (DP=11,7), com tempo médio de formados de 19,8 anos (DP=10,1). No cenário clínico sobre artrite reumatóide (AR) de início recente em atividade, a maioria dos colegas (84,7%) tratava inicialmente o paciente com prednisona ou prednisolona. As drogas modificadoras da doença mais escolhidas foram metotrexato (84,2%) e cloroquina (63,8%). Quatro médicos (2,8%) escolheram os agentes biológicos (infliximabe e etanercepte) como droga de primeira escolha no tratamento inicial da doença. A profilaxia para osteoporose induzida pelo corticóide com suplementação de cálcio e vitamina D só foi orientada por 61,2% e 46,5% dos reumatologistas, respectivamente. No cenário clínico de um paciente com lúpus eritematoso sistêmico (LES), a grande maioria dos colegas optou pelo tratamento com corticóide oral (93,7%), cloroquina (92,5%) e fotoproteção (93,7%). Na presença de nefrite lúpica caracterizada com preservação da função renal e níveis pressóricos normais, a conduta mais escolhida foi pulsoterapia de corticóide (47,7%) ou prednisona oral em altas doses. Pulsoterapia de ciclofosfamida foi escolhida por 34,6% dos reumatologistas. No cenário sobre lombalgia aguda mecânico-postural, sem sinais de alarme, 55,4% dos colegas não solicitavam nenhum exame na abordagem inicial e as drogas mais escolhidas para o tratamento foram: antiinflamatórios não-hormonais (AINHs) (89,3%), relaxante muscular (72,9%), fisioterapia (33,3%). O repouso no leito foi orientado por 31,6% dos especialistas. Num caso de lombalgia crônica com raio X recente mostrando espondilolistese grau 1 e discoartrose, 39,6% dos reumatologistas não solicitavam nenhum exame adicional, enquanto 26,2% e 24,4% solicitavam tomografia computadorizada (TC) e ressonância nuclear magnética (RNM), respectivamente. As condutas mais indicadas nesse caso foram: fisioterapia (75,1%), relaxante muscular (48,5%), RPG (45,6%), exercícios físicos (41%), AINH seletivo da Cox-2 (40,5%), amitriptilina (35,3%), analgésicos opióides (34,7%). Outros cenários de artrose de joelho e ombro doloroso foram apresentados. CONCLUSÕES: a baixa taxa de devolução dos questionários pode refletir uma prática ainda não-incorporada na nossa cultura. O perfil dos reumatologistas respondedores é muito semelhante entre as regiões. A maioria das condutas escolhidas está de acordo com as melhores evidências disponíveis, refletindo uma homogeneidade de abordagem terapêutica entre os reumatologistas. Embora este estudo traga importantes dados sobre a prática reumatológica, pode não ser representativo da população de reumatologistas brasileiros, tendo em vista o baixo percentual de respondedores. Resumo em inglês OBJECTIVE: Evaluate routine clinical practices of Brazilian rheumatologists. METHOD: Virtual clinical scenarios representing a range of rheumatological practical situations were sent by mail to 831 specialists certified by the Brazilian Society of Rheumatology (SBR) with postage-paid envelopes for reply. RESULTS: Only 21.4% of the questionnaires were returned. The average age of responding rheumatologists was 42.7 years (SD=11.7), with an average time since graduation fro (mais) m medical school of 19.8 years (SD=10.1). In a clinical scenario describing early active rheumatoid arthritis most respondents (84.7%) chose to initiate treatment with prednisone or prednisolone. The most chosen disease modifying antirheumatic drugs were methotrexate (84,2%) and chloroquine (63.8%). Four rheumatologists (2.8%) indicated biological agents (infliximab and etanercept) as their initial choice of treatment. Prophylaxis for corticoid-induced osteoporosis and calcium and vitamin D supplementation were recommended by only 61.2% and 46.5% of the respondents, respectively. In a clinical scenario describing systemic lupus erythematosus, almost all doctors prescribed oral corticoids (93.7%), chloroquine (92.5%) and photoprotection (93.7%). In the presence of lupus nephritis with unimpaired renal function and normal blood pressure levels, the most frequently adopted management was pulse therapy with corticoids (47.7%) or high doses of oral prednisone. Pulsetherapy with cyclophosphamide was indicated by 34.6% of the respondents. In a clinical scenario describing acute mechanical back pain without alarming signs, 55.4% stated that they would request no laboratory examinations on the first encounter and the main treatments of choice were non-hormonal antiinflammatory drugs (89.3%), muscle relaxant drugs (72.9%) and physical therapy (33.3%). Bed rest was recommended by 31.6% of the respondents. In a clinical scenario describing chronic back pain with recent X-ray showing first degree spondylolisthesis and disc arthrosis, 39.6% of the rheumatologists stated that they would not request additional examinations, while 26.2% and 24.4% would request computer tomography scans and magnetic resonance scans, respectively. The most frequently prescribed treatments were physical therapy (75.1%), muscle relaxant drugs (48.5%), RPG (45.6%), physical exercise (41%), Cox-2-selective non-hormonal antiinflammatory drugs (40.5%), amitriptyline (35.3%) and opioid analgesics (34.7%). The questionnaire also included scenarios describing knee arthrosis and shoulder pain. CONCLUSION: The low rate of response from rheumatologists may be associated with aspects of Brazilian culture. In fact, respondents displayed a very similar profile throughout the country. Most of the prescribed treatments agree with available evidence and reflect a homogeneous approach to rheumatological disease among professionals. However, although the present study has provided interesting information regarding clinical practices, the small number of respondents may not be particularly representative of the population of Brazilian rheumatologists.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

8

Deflazacort e cicatrização de anastomoses colônicas. Estudo experimental em ratos/ Deflazacort and colonic anastomotic healing. An experimental study in rats

Aguilar-Nascimento, J.E. de; Silva, L.R.F. da; Teixeira, R.L.; Oliveira, A.F. de
2000-09-01

Resumo em português OBJETIVO: O deflazacort é um novo corticóide com os mesmos efeitos antiinflamatórios dos demais, porém com menos efeitos colaterais. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos do deflazacort na cicatrização de anastomoses colônicas. MATERIAL E MÉTODO: 75 ratos Wistar foram randomizados em três grupos para receberem os seguintes tratamentos por gavagem: grupo controle (N=24)= solução fisiológica; grupo deflazacort (N=25)= 0,1 mg/Kg/dia dessa droga e, gru (mais) po dexametasona (N=26)= 0,5 mg/Kg/dia substância. Após seis dias de tratamento, os animais foram submetidos à secção colônica, seguida de anastomose primária em um ponto situado a 2 cm acima da reflexão peritoneal. O tratamento com as soluções foi mantido até o sacrifício, que ocorreu no 3º ou no 6º dia de PO. Observou-se na necrópsia sinais de peritonite e deiscência de sutura. Realizou-se o teste de pressão de ruptura das anastomoses e dosou-se nessa região a concentração de hidroxiprolina e proteinas. RESULTADOS: Não houve diferença em relação à ocorrência de deiscência e peritonite. A pressão de ruptura foi semelhante no 3º dia. No 6º dia, ela foi maior (p Resumo em inglês BACKGROUND: Deflazacort, a new corticosteroid is claimed to induce less collateral effects than other corticoids. The aim of this study was to investigate the effect of this drug on the healing of colonic anastomosis. MATERIAL AND METHOD: 75 Wistar rats were randomized to receive daily by gavage, one of the following treatments: control group (N=24) - 1 ml of saline; deflazacort (N=25) - 1 ml of this drug containing 0.15mg/ml (0,1 mg/kg/day), and dexamethasone (N=26) - 1 (mais) ml containing 0.03 mg/ml of this drug (0.5 mg/kg/day). After 6 days of treatment, the animals underwent laparotomy followed by section and immediate colonic anastomoses in a point 2 cm above peritoneal reflexion. Treatment in each group was carried out until the animals were killed on the third of a six postoperative day. At necroscopy, signs of peritonitis and anastomotic dehiscence were registered. Anastomotic site was tested for tensile rupture and biopsies containing all layers were sent for hydroxyproline and protein measurements. RESULTS: There was no difference in the peritonitis and anastomotic dehiscence rates among the groups. Bowel rupture pressure was similar at day 3 but significantly higher in controls (180 [150-230] mmHg) than in deflazacort (150 [120-180] mmHg) and dexamethasone groups (140 [100-180] mmHg) at day 6. No difference occurred in the hydroxyproline concentration. Protein content was higher in dexamethasone group than in controls on the third postoperative day. CONCLUSIONS: Corticosteroids may impair colonic anastomotic resistance and deflazacort may have similar deleterious effects of dexamethasone in anastomotic healing.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

9

Avaliação da densidade mineral óssea em pacientes com doença inflamatória intestinal/ Bone mineral density evaluation in inflammatory bowel disease patients

Lora, Fabiana Lígia; Amarante, Heda M. B.; Pisani, Júlio C.; Borba, Victória V. C.; Kulak, Carolina A. M.; Carmes, Eliane R.
2005-12-01

Resumo em português RACIONAL: Pacientes com doença inflamatória intestinal têm maior prevalência de redução da densidade mineral óssea em comparação às pessoas saudáveis. OBJETIVO: Avaliar a densidade mineral óssea em uma população de pacientes com doença inflamatória intestinal. MÉTODOS: Noventa pacientes de 20 a 50 anos de idade, do ambulatório de doença inflamatória intestinal do Serviço de Gastroenterologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, (mais) Curitiba, PR, foram selecionados para avaliação. Desses, 76 completaram todas as etapas de avaliação. A densitometria foi realizada da coluna lombar e fêmur direito em aparelho Hologyc QDR 1000/W. RESULTADOS: Os pacientes com doença inflamatória intestinal tiveram significativa redução da densidade mineral óssea, avaliada por massa óssea em números absolutos (g/cm²), em todas as regiões avaliadas, colo do fêmur, fêmur total e coluna lombar. As variáveis analisadas como, índice de atividade de doença, uso de corticóide, cirurgias prévias, índice de massa corpórea e falta de atividade física, não demonstraram correlação com a massa óssea, ou seja, não influenciaram os resultados da densidade mineral óssea no grupo estudado de doentes com doença inflamatória intestinal. CONCLUSÃO: Densidade mineral óssea reduzida foi encontrada nos pacientes com doença inflamatória intestinal do Ambulatório de Doença Inflamatória Intestinal do Serviço de Gastroenterologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, mais pronunciadamente nos pacientes com doença de Crohn, semelhante ao descrito na literatura. Nenhuma das variáveis analisadas mostrou correlação com a densidade mineral óssea. Resumo em inglês BACKGROUND: Inflammatory bowel disease patients have shown greater reduction of the bone mineral density compared to healthy people. AIM: To evaluate the bone mineral density in a population of patients with inflammatory bowel disease. METHODS: Ninety patients from 20 to 50 years old, of the Inflammatory Bowel Disease Ambulatory of the Gastroenterology Service of the Clinics Hospital, Curitiba, PR, Brazil, were selected for the evaluation. From those, 76 completed all the (mais) stages of the evaluation. The densitometry was made from lumbar column and right femur with a dual-energy x-ray absortiometry (Hologyc QDR 1000/W) device. RESULTS: The inflammatory bowel disease patients had a significant reduction of the bone mineral density in all the evaluated parts, femur neck, total femur and lumbar column. The analysed variables, disease activity index, usage of corticoids, the lack of physical activities, the index body mass and previous surgeries did not have influence in the results. CONCLUSION: Reduced bone mineral density was founded in inflammatory bowel disease patients of the Clinics Hospital, mainly in the Crohn's disease patients, as described in literature. None analyzed variables had significant correlation to the bone mineral density.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

10

Opções técnicas utilizadas no transplante pancreático em centros brasileiros/ Technical options used in pancreatic transplants in brazilian centers

Gonzalez, Adriano Miziara; Lopes Filho, Gaspar de Jesus; Triviño, Tarcísio; Messetti, Fabrízio; Rangel, Érica Bevilakua; Melaragno, Claudio
2005-02-01

Resumo em português OBJETIVO: Analisar o perfil dos principais centros de transplantes do Brasil, quanto às opções técnicas no transplante de pâncreas. MÉTODO: Foi encaminhado um questionário por correio eletrônico (email) para um membro de cada equipe de 12 centros de transplante do Brasil, com casuística mínima de um transplante de pâncreas. O questionário continha 10 perguntas, abordando aspectos controversos e não padronizados. RESULTADOS: A maioria dos centros (90,9%) utili (mais) za incisão mediana. O órgão de escolha a ser implantado primeiro foi principalmente o rim, em 63% dos centros. Em relação à drenagem venosa, 90,9% utilizam a drenagem sistêmica. A ligadura da veia ilíaca interna é realizada em 54,5% dos centros. A maioria dos centros (90,9%) utiliza a drenagem entérica para transplante combinado pâncreas-rim. Para o transplante de pâncreas isolado, apenas cinco centros responderam, sendo que dois utilizam a drenagem entérica e três a vesical. A utilização de dreno na cavidade abdominal ocorre em 63% dos centros. Em 72,7% dos centros é realizada algum tipo de indução na imunossupressão para o transplante combinado pâncreas-rim, sendo a imunossupressão básica a associação de tacrolimus (FK506), micofenolato mofetil (MMF) e corticóide. A antibioticoprofilaxia é realizada por todos os centros e profilaxia para fungos é realizada por seis centros (54,5%). Oito centros (72,7%) utilizam algum tipo de profilaxia para trombose vascular, em esquemas diversos. CONCLUSÃO: Existem diversos caminhos técnicos na condução do transplante pancreático. A falta de padronização dificulta a análise e a comparação dos resultados. Apesar dessa heterogeneidade das equipes, observamos uma tendência para a realização de incisão mediana, drenagem venosa sistêmica e exócrina entérica, com a utilização de algum tipo de profilaxia para trombose vascular nos transplantes combinados pâncreas-rim. Resumo em inglês BACKGROUND: To analyze the profile of the most important Brazilian Transplant Centers regarding technical options in the pancreas transplant. METHODS: A query was sent by electronic mail for the 12 Brazilian Transplant Centers with at least one pancreas transplant performed. The query included ten questions approaching controversial and non-standard technical aspects. RESULTS: Midline abdominal incision is used in 90.9% of the Centers. The first organ to be implanted is t (mais) he kidney in 63% of the Centers. Regarding the venous drainage, 90.9% perform systemic drainage. In 54.5% of the Centers the internal iliac vein is ligated. For combined pancreas-kidney transplant 90.9% of the teams perform enteric drainage. Five Centers answered about isolated pancreas transplant, two of them use enteric drainage and the other three prefer to utilize the bladder. 63% of the surgical teams use abdominal drain. 72.7% of the Centers adopt immunosupression induction for the combined pancreas-kidney transplant. The basic immunosuppression was an association between tacrolimus (FK506), and mofetil microfenolato (MMF), and corticoids. While antibiotic prophylaxis is performed in all the 12 Centers, fungus prophylaxis is routinely made in six of them. Eight Centers (72.7%) adopt vascular thrombosis prophylaxis by several different protocols. CONCLUSION: There are various technical medical protocols on how to conduct a pancreas transplant patient. The lack of homogeneity in the protocols makes it more difficult to analyze and compare the results. Nevertheless we can conclude that in combined pancreas-kidney transplant there is a preference towards midline abdominal incision, and vein systemic and enteric drainage, and vascular thrombosis prophylaxis.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

11

Estudo comparativo entre anastomoses intestinais com sutura manual e com anel biofragmentável em cães sob a administração de corticosteróides/ Comparative study of intestinal anastomoses with manual suture and biofragmentable ring in dogs under corticosteroid administration

Fernandes, L. C.; Matos, D.; Novelli, M. D.; Kim, S. B.
2000-06-01

Resumo em português OBJETIVO: Este estudo analisou anastomoses intestinais por sutura manual e por compressão com anel biofragmentável, sob retardo cicatricial pela administração parenteral de corticosteróides. MATERIAL E MÉTODOS: Vinte cães, entre 15 e 20 kg, foram divididos em grupos controle e teste, este submetido à administração intramuscular de hemissuccinato de hidrocortisona, de 25 a 33 mg/kg/dia, do 30º dia pré-operatório ao 7º dia pós-operatório. Em ato cirúrgico, (mais) cada animal foi submetido a duas secções cólicas, com anastomoses por sutura manual em plano único extramucoso e por compressão com anel biofragmentável. Os espécimes foram sacrificados sete dias após o procedimento para avaliação das anastomoses. RESULTADOS: No pós-operatório ocorreram um óbito no grupo teste e dois óbitos no grupo controle por fístula não bloqueada nas anastomoses por compressão com anel. Houve, estatisticamente, incidência semelhante de aderências, fístulas, dilatação aferente e obstrução, nos métodos em comparação. À microscopia, houve deficiência de regeneração mucosa nas anastomoses por compressão. Análise histológica por computador evidenciou nas anastomoses por compressão, maior reação inflamatória, maior edema de submucosa e formação de cicatrizes alargadas. CONCLUSÕES: Com o anel biofragmentável, em anastomoses colocólicas sob retardo de cicatrização induzido por corticosteróides, foram obtidos resultados semelhantes aos da sutura manual quanto à incidência de complicações pós-operatórias; o anel, entretanto, determinou pior regeneração mucosa e maior reação inflamatória cicatricial. Resumo em inglês BACKGROUND: This study analyzed intestinal anastomoses by manual suture and by compression with biofragmentable ring under delay of cicatrization administering parenteral corticoids. MATERIAL AND METHODS: Twenty dogs were divided into two groups: control and test, the latter submitted to intramuscular administration of hydrocortisone hemisuccinate, 25 to 33 mg/kg/day, on the 30th preoperative and 7th postoperative days. During surgery, each animal underwent two colon sect (mais) ions with anastomosis by manual suture in a single extramucous plane and compression with biofragmentable ring. The animals were sacrificed 7 days after the procedure to evaluate the anastomoses. RESULTS: In the postoperative period, one death occurred in the test group and two in the control group, caused by nonblocked fistula in the anastomoses by ring compression. Statistically, there was a similar incidence of adherences, fistulas, afferent dilatation and obstruction using comparison methods. On microscopy, deficiency in mucous regeneration of the anastomoses by compression was observed. Computerized histological analysis evidenced in the anastomoses by compression, a greater inflammatory reaction, greater edema of the submucous membrane and enlarged scars. CONCLUSIONS: It was concluded that, with the biofragmentable ring, in colonic anastomosis under delay of cicatrization induced by corticoids, similar results to manual suture regarding to postoperative complications incidence were obtained; ring, however, determined worse mucous regeneration and greater cicatricial inflammatory reaction.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

12

Bases biológicas do transtorno de estresse pós-traumático/ Biological basis of posttraumatic stress disorder

Graeff, Frederico G
2003-06-01

Resumo em português A pesquisa neuroendocrinológica dos sistemas fisiológicos envolvidos no estresse evidencia hiper função do eixo simpato-adrenal em conjunto com uma redução da atividade do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA) em pacientes com estresse pós-traumático (TEPT). Uma resposta prejudicada do cortisol aos estressores parece estar associada com um aumento da vulnerabilidade ao desenvolvimento do TEPT. O excesso de catecolaminas, sem o pareamento do aumento dos corticó (mais) ides promoveria uma consolidação excessiva das memórias traumáticas e a indevida generalização para outras situações estressantes. Sintomas como o entorpecimento e flashbacks têm sido relacionados com o aumento de opióides endógenos. Estudos de neuroimagem evidenciam uma redução do volume hipocampal no TEPT, que tem sido relacionada a alterações cognitivas e anormalidades do eixo HHA encontrados no TEPT. Resumo em inglês Neuroendocrinological research on the physiological systems involved in stress evidenced hyper functioning of the sympatho-adrenal axis together with reduced activity of the hypothalamic-pituitary-adrenal axis in patients with posttraumatic stress disorder (PTSD). An impaired corticoid response to stressors seems to be associated with enhanced vulnerability to PTSD. Excess catecholamines, unchecked by corticoids would promote over consolidation of traumatic memories and u (mais) ndue generalization to other stressful situations. Symptoms such as numbing and flashbacks have been related to endogenous opioids. Neuroimaging studies evidenced a reduction of hippocampal volume in PTSD patients, which has been related to both cognitive changes and abnormalities of the HPA axis that are found in PTSD.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

13

Avaliação da composição corpórea e densidade mineral óssea em mulheres portadoras de artrite reumatóide/ Evaluation of body composition and bone mineral density in women with rheumatoid arthritis

Silva, Raíssa Gomes da; Pippa, Maria Guadalupe Barbosa; Zerbin, Cristiano Augusto de Freitas
2007-04-01

Resumo em português OBJETIVO: Analisar o comprometimento da densidade mineral óssea (DMO) e a sua correlação com a composição corporal em mulheres com AR. MÉTODOS: Oitenta e três pacientes com AR realizaram densitometria óssea (DXA) para análise de massa óssea total e regional, e estudo da composição corpórea (CC). Além disso, foram submetidas a radiografia lateral de coluna dorsal e lombar e exames laboratoriais. Foram aplicados questionários para avaliação da atividade da (mais) doença, classe funcional, atividade física e inquérito alimentar. RESULTADOS: A prevalência de osteoporose nas pacientes menopausadas foi de 21,4% (12 pacientes), 46,4% com osteopenia (26 pacientes) e 32,1% com valores normais (18 pacientes) e a osteoporose ocorreu de forma semelhante em coluna lombar e colo do fêmur. Mais da metade da amostra apresentou diminuição de DMO em coluna lombar e /ou colo do fêmur. As mulheres de raça não branca e as pré-menopausadas apresentaram maiores valores nas médias de DMO. A dose cumulativa de GC nos últimos dois anos foi determinante negativo na massa magra total. A idade teve efeito negativo nas medidas DMO e de CC. O IMC mostrou efeito positivo em todas as variáveis da CC. As classes funcionais 3 e 4 tiveram efeito negativo apenas na DMOT. A atividade física apresentou efeito positivo na DMOFT. A duração da AR teve efeito negativo na DMOCL. A dose de GC dos últimos três meses mostrou efeito negativo na MMT e a dose dos últimos dois anos teve efeito positivo no PGT. Por fim, o TEE teve efeito positivo no PGT. CONCLUSÃO: A redução da DMO observada em 67,8% das pacientes sugere a melhoria de medidas para a prevenção e tratamento de osteoporose a partir do diagnóstico desta doença. A idade e raça branca foram fatores negativos nas medidas de DMO, enquanto que o IMC foi um fator positivo em todas as variáveis de DMO e CC. A doença (AR) também influenciou negativamente a DMO nestas pacientes, e a utilização de GC modificou a CC, reduzindo a massa muscular e aumentando o percentual de gordura nestas pacientes. Embora não tenhamos evidenciado uma ação deletéria direta do GC na DMO, o seu uso deve ser criterioso. A preservação da massa muscular e o incentivo de seu desenvolvimento são importantes no equilíbrio das pacientes, com conseqüente diminuição de quedas e futuras fraturas. Resumo em inglês Decrease of bone mass and changes in body composition are common in patients with rheumatoid arthritis (RA) especially in users of glucocorticoids. OBJECTIVE: To evaluate the bone mineral density (BMD) and its correlation to factors of body composition in women with RA. METHODS: BMD and body composition (total and regional) were measured by DXA in 83 patients with rheumatoid arthritis. In addition, a lateral dorsal and lumbar spine x-ray was carried out as well as laborat (mais) ory tests (rheumatoid factor, inflammatory exams). Information about activity of disease, functional class, physical activity and alimentary data were colleted using specific questionnaires. RESULTS: The prevalence of osteoporosis in menopausal patients was 21.4% (12 patients), of osteopenia 46.4% (26 patients) while 32.1% were normal (18 patients). Osteoporosis was similar in the lumbar spine and the femoral neck. More than half the patients showed low BMD in the lumbar and/or femoral neck. Non Caucasian and premenopausal women had the highest values of BMD averages. The cumulative dose of glucocorticoids for the last two years was a negative determinant of total lean mass. Age had a negative effect on BMD and body composition measurements. BMI showed a positive effect in all BC variables. Functional classes 3 and 4 had a negative effect only on the BMD total. Physical activity had a positive effect on BMD of the total femur. Duration of RA had a negative effect on BMD in the lumbar spine. The GC dose used in the last 3 months showed a negative effect on the total lean mass (MMT) and doses of the last 2 years had a positive effect on the total fat percentage (TFP). Finally, the estrogen exposure time (EET) indicated a positive effect on total fat percentage (TFP). CONCLUSION: A decreased BMD found in 67.8% of patients suggests a better approach to prevention and treatment as from diagnosis of the disease. Age and non Caucasian race were negative factors for BMD values, while BMI was a positive factor for all BMD and body composition variables. The disease (RA) also had a negative influence on BMD of these women and use of GC produced changes in body composition, reducing the lean mass and increasing the fat percentage. Despite lack of evidence of a harmful direct action of oral corticoids on BMD, their use should be avoided. Therefore, preserving lean mass and enhancing BMD is important for these patients, in order to decrease fractures and falls.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

14

Análise de prevalência e evolução das manifestações neuropsiquiátricas moderadas e graves em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico internados no serviço de reumatologia do Hospital Geral de Fortaleza/ Prevalence and follow-up analysis of evolution of severe and moderate neuropsychiatric manifestations in hospitalized systemic lupus erythematosus in the rheumatology service of the Hospital General de Fortaleza

Vieira, Walber Pinto; Pinheiro, Maria Neide Antero; Sampaio, André Xenofonte Cartaxo; Callado, Carla Monteiro; Vieira, Rejane Maria Rodrigues de Abreu; Callado, Maria Roseli Monteiro
2008-06-01

Resumo em português OBJETIVO: Avaliar a prevalência e a resposta terapêutica das manifestações neuropsiquiátricas (MNP) moderadas ou graves em pacientes lúpicos internados no Hospital Geral de Fortaleza (HGF). MÉTODOS: Durante dois anos, 110 pacientes de internações consecutivas com lúpus eritematoso sistêmico, segundo os critérios do Colégio Americano de Reumatologia, foram avaliados para MNP moderadas ou graves. Nestes pacientes estudou-se: causa da internação, presença de (mais) auto-anticorpos, liquor, imagens radiológicas, análise retrospectiva dos prontuários e terapêutica utilizada. RESULTADOS: A prevalência de MNP foi de 16,4% (18/110), em 17 mulheres e um homem, com idade média de 29 anos; por ocasião do internamento, 33% (6/18) dos pacientes apresentavam apenas MNP. A ocorrência da primeira MNP foi de 11% (2/18) antes do diagnóstico, 33% (6/18) por ocasião do diagnóstico e 56% (10/18) pós-diagnóstico. A mortalidade foi de 11% (2/18). As principais MNP foram: convulsões e cefaléia (50%), psicose (22%), acidente vascular cerebral (17%) e síncope e depressão maior (11%). Resposta terapêutica: 28% (5/18) pacientes responderam à corticoterapia oral, 17% (3/18) realizaram pulso de metilprednisolona e 56% (10/18) pulso de ciclofosfamida. CONCLUSÃO: A prevalência de MNP na população estudada encontra-se no limite inferior da literatura. Na ausência de estudos clínicos controlados, a abordagem destes pacientes é fundamentada em séries de casos e na experiência profissional do serviço. Resumo em inglês OBJECTIVE: Evaluate the prevalence and therapy outcome of moderate and severe neuropsychiatric manifestations (NPM) in patients with systemic lupus erythematosus admitted at the Hospital Geral de Fortaleza. METHODS: During two years, 110 patients with consecutive hospitalizations suffering from systemic lupus erythematosus, according to the American College of Rheumatology criteria, were evaluated for moderate and severe NPM. The following parameters were studied in these (mais) patients: cause of admission, presence of auto-antibodies, cerebral spinal fluid, radiological imaging, retrospective study of medical records and treatment. RESULTS: The prevalence of NPM was 16.4% (18/110), being seventeen women and one man; the mean age was 29 years; during the hospitalization term, only 33% (6/18) of the patients had an NPM. The occurrence of the first NPM was in 11% (2/18) of the cases before diagnosis, in 33% (6/18) during diagnosis and in 56% (10/18) after diagnosis. The mortality rate was 11% (2/18). The most common NPM's were: seizures and headache (50%), psychosis (22%), cerebrovascular disease (17%), syncope and major depression (11%). Treatment outcome: 28% (5/18) of the patients responded to oral corticoids, 17% (3/18) had a pulse of methylprednisolone and 56% (10/18) were treated with cyclophosphamide. CONCLUSION: The prevalence of NPM in the patients of this study was on the lowest limit reported by the related literature. With no controlled clinical trials, the approach to these patients is based on case reports and the professional experience of the service.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)

15

Alterações menstruais em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico sob uso de imunossupressores/ Menstrual disturbances in systemic lupus erythematosus patients using immunossuppressants

Nonato, Dejan Rodrigues; Barbosa, Vitalina Souza; Rodrigues, Diogo Lima; Amaral, Poliana Cordeiro; Assis, Mychelle Resende; Silva, Nilzio Antonio da
2010-10-01

Resumo em português INTRODUÇÃO: O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune que afeta mulheres em idade fértil. Em seu tratamento são utilizados imunossupressores que podem afetar as gônadas. OBJETIVO: Avaliar a frequência de alterações menstruais de pacientes lúpicas tratadas com imunossupressores. MÉTODOS: Foram estudadas 87 pacientes, com idade inferior a 40 anos, com LES em seguimento ambulatorial e verificado o esquema terapêutico utilizado. Excluiu-se do e (mais) studo outras causas orgânicas de alteração menstrual. Foi feita correlação de alterações menstruais com o tipo e o tempo de uso dos diferentes imunossupressores. RESULTADOS: A idade variou de 14 a 38 anos, com média de idade 28,01 ± 5,81 anos; a média de idade da menarca foi de 13,12 ± 1,77 anos e o diagnóstico de lúpus 21,40 ± 5,75 anos. O corticoide estava em uso de forma individual por 63,2%, com média de tempo de 6,11 ± 5,14 anos e o uso de outros imunossupressores ocorreu com média de tempo de 5,60 ± 3,59 anos. Alterações menstruais ocorreram em 37,9% e amenorreia em 11,5%. Houve associação das alterações menstruais com o uso dos imunossupressores (IS) (P = 0,034). CONCLUSÃO: A frequência de alterações menstruais foi superior a encontrada na população em geral, semelhante ao observado em outras publicações sobre lúpus em tratamento. A maior frequência de alterações menstruais nessas pacientes foi significativamente associada ao uso de Imunesupressores. O resultado justifica a prudência no uso destes medicamentos, a orientação para pesquisa e uso de técnicas de meios de preservação dos ovários. Resumo em inglês INTRODUCTION: Systemic lupus erythematosus (SLE) is an autoimmune disease that affects fertile-age women and of which treatment includes immunosuppressive agents that can affect the gonads. OBJECTIVE: To evaluate the frequency of menstrual alterations in lupus patient treated with immunosuppressive agents (ISA). PATIENTS AND METHODS: A totalof 87 patients, aged (mais) d. Only organic causes of menstrual alterations were excluded from the study. The menstrual alterationswere correlated with the type and time of use of different ISA. RESULTS: Age varied from 14 to 38 years, with a mean age of 28.01 ± 5.81 years; the mean age at menarche was 13.12 ± 1.77 years and the diagnosis of SLE was at 21.40 ±5.75 years. Corticoids were used as single therapy by 63.2% of them, for a mean time of 6.11 ± 5.14 years and the use of other immunosuppressive agents occurred with a mean time of 5.60 ± 3.59 years. Menstrual alterations occurred in 37.9% and amenorrhea in 11.5%. There was an association between menstrual alterations with the use of ISA (P = 0.034). CONCLUSION: The frequency of menstrual alterations was higher than that found in the general population, similar to what was observed in other publications on lupus treatment. The higher frequency of menstrual alterations in thesepatients was significantly associated with the use of ISA. The results justify caution when prescribing these medications,research indication and the use of techniques for ovarian preservation means.

Scientific Electronic Library Online (Portuguese)